terça-feira, 28 de julho de 2015

Vídeo Exclusivo: Sasha canta Alguém no Xuxa no Mundo da Imaginação

Parabéns Sasha! Em comemoração aos 17 aninhos da princesa, resgatamos o vídeo em que ela canta a música "Alguém" no programa "Xuxa no Mundo da Imaginação" no dia 09 de agosto de 2004.

 

domingo, 26 de julho de 2015

Música: Hey Mickey!

Por: Leandro Franco

O ano é 1987, a imprensa em polvorosa anuncia que Xuxa deixa as convenções de lado e escancara seu amor por um “jovem” senhor de 59 anos. Ela, com 24 aninhos, não se sentiu incomodada em dizer para o amado (e para todo o Brasil): “é lindo seu olhar, seu riso me faz bem, você me faz pirar, que charme você tem”. Ah, o amor...



Essa Love Story começou lá em 1981, quando se encontraram pela primeira vez a moça de 18 anos e o experiente senhor, que só usava calças vermelhas, mas nem só de amor vive uma história dessas; como Xuxa ia lidar com o ciúme da namorada dele? A D. Minerva sempre foi ciumenta! Xuxa, Xuxa... olha bem o que está fazendo, já não bastou aquela história com o rapaz marombado não ter dado certo (a gente vai falar disso lá no fim)? – disse um amigo próximo que preferiu não se identificar.



E é assim nessa notícia inventada, que começamos a falar do amor inventado da loira pelo camundongo Mickey. No Xegundo Xou da Xuxa (1987), Xuxa lançou a faixa Hey Mickey, uma música que não foi trabalhada, não teve clipe e passou ilesa pela lista de “músicas mais lembradas de Xuxa”, mas nem por isso deixa de ser interessante.



A Origem
Quase a totalidade daqueles que viveram a era Xou da Xuxa sabe que a música é versão de uma canção estrangeira, mas existem muitos outros detalhes nessa história.
Em 1981 a cantora americana Toni Basil lançou seu primeiro disco, World of Mouth, e soube escolher direitinho o single de estreia: Mickey! Calma, ainda não é o Mickey da Xuxa.


Mickey, da Tony Basil, é também uma versão, o que pouca gente sabe! A canção Kitty (1979) –do grupo inglês Racey – foi a inspiração para os compositores Mike Chapman e Nicky Chinn criarem o único sucesso da carreira de Toni. Versos foram modificados e o nome de Kitty substituído pelo de Mickey, que era um cara qualquer, nada relacionado ao personagem de Walt Disney. Missão cumprida, Mickey (assim mesmo, sem o Hey) chegou ao #1 da Billboard Hot 100 e ao #2 na parada britânica.


As primeiras versões da “versão”
Sucesso declarado, hora de ser reaproveitado. Em 1983, o humorista e cantor “Weird Al” Yankovic lançou seu disco de estreia e nele incluiu uma paródia de Mickey. Dessa vez chamada de Ricky. A versão de Yankovic era lotada de referências ao seriado I Love Lucy  (#TeQuieroXuxa ) e teve até clipe, que também “homenageou” Toni Basil ao colocar uma cheerleader dançando no finalzinho.


Alguns anos depois – em 1986 – foi a vez da Disney dar sua mordida no bolo. Como não aproveitar a música chiclete e o nome do seu personagem mais famoso a seu favor? E foi só isso mesmo que a Disney aproveitou; os versos de Toni foram totalmente alterados e nascia assim uma declaração de amor de Minnie ao seu eterno namorado Mickey. A música passou a se chamar Hey Mickey e saiu no disco “solo” da Minnie, Totally Minnie  – que teve sua voz feita pela cantora Desireé Goyette, responsável pela voz de várias personagens infantis como Barbie e Bety Boop.


Toni x Minnie x Xuxa
E o que nos leva a crer que a versão de Xuxa – sim, dela mesma! Xuxa é a responsável pela letra em português do hit Hey Mickey – é baseada na versão da Minnie e não na de Toni Basil?
A letra feita por Xuxa se assemelha muito mais a de Minnie que a de Toni Basil.



Comparem uma das estrofes:
Toni (em tradução livre)



Minnie (em tradução livre)



Xuxa



As semelhanças ocorrem pelo restante da letra. Quem quiser conferir tudo, é só clicar nos links: Toni BasilMinnieXuxa


Um fato curioso e que pode ser relacionado a isso é que, em meados da década de 80, a versão da Minnie tocava nos parques da Disney, em Orlando – principalmente nos espaços reservados para fotos com os personagens. Xuxa, nessa época, participava de pacotes turísticos acompanhando crianças brasileiras à Disneylândia. Nada impede que ela tenha ouvido a música, gostado e sugerido a inclusão em seu álbum aqui no Brasil.

Xuxa posa ao lado de fãs em uma das excursões para a Disney World
E como contra fatos não há argumentos, temos o LP de 1987 pra provar. No rótulo do vinil está lá creditada a versão da Minnie – Hey Mickey (Hey Mickey) – e não somente Mickey, que seria o correto caso fosse para creditar a versão de Toni Basil.


A informação se repete nos relançamentos do Xegundo Xou da Xuxa em CD.


Só que nossa trama se adensa! Em 2013, aparece o Box Xou da Xuxa, relançando os 7 primeiros discos e nos créditos do segundo disco agora aparece Hey Mickey (Mickey).


Mesmo assim, continuamos firmes no que dissemos, pois temos que levar em conta que esse box não teve muito cuidado em sua elaboração e parece ter sido feito meio às pressas, a começar pela capa do encarte que é montagem descabida feita da forma mais rudimentar possível, mas isso não vem ao caso, e além do mais temos a maioria: (LP (1987), lançamento em CD (1995), relançamentos (1997 e 2006).


Hey Mickey no Xou da Xuxa
Como já dissemos, Hey Mickey não foi uma música trabalhada. Não foi um single, se assim a quisermos chamar, mas ela tocava de fundo durante as brincadeiras. Por sua vez, a versão de Minnie também tinha seu espaço no programa: não raramente podia ser ouvida durante os sorteios divertindo Xuxa, Moderninho e Cia.


Na série de programas Xuxa - 12 anos com você, exibida em 1998, temos um momento divertido de Xuxa relembrando a música e ficando horrorizada com seus agudos. Ao final ela ainda conta que sua paixão pelo Mickey existia, mas que o Pateta também era dono do seu coração. Hey Goofy!

A língua do X
Xou da Xuxa, xuxexo, xenxaxional... A língua do X teve seu momento nos anos 80, virou modinha, principalmente nas matérias impressas que sempre incluíam uma frase ou outra usando o trocadilho. Curiosamente, Hey Mickey foi a única música onde Xuxa usou desse recurso – “xou feita pra voxê”.


Depois disso, só Amanda (ex-Trem da Alegria) o fez em Recado pra Xuxa (1989). Não podemos esquecer que foi só o Xegundo Xou da Xuxa que brincou com isso também. Já imaginaram: Xuxa Xinco ou Xou da Xuxa Xeis, Xete?

O elemento lúdico
Seguindo o caminho iniciado no primeiro álbum Xou da Xuxa (1986), Xuxa continuava sua inserção no mundo dos personagens de desenho animado e contos infantis no Xegundo Xou da Xuxa. Se tudo começou com Peter Pan e She-Ra, agora temos praticamente toda a nata do universo de desenhos animados da época: Scooby-Doo, He-Man, She-Ra (Festa do Estica e Puxa), Rambo (Rambo)...e claro, nosso camundongo de calças vermelhas, Mickey.


Entenderam agora porque falamos do caso do rapaz marombado que a Xuxa queria conhecer, mas pelo jeito não deu certo? “Por Grayskull, She-Ra! Me apresenta pro He-Man, seu irmãozinho é uma gracinha…”


Trabalhada ou não, lembrada ou não, Hey Mickey marcou seu lugar em muito coração de baixinho nos anos 80, fez muita gente descobrir a Toni Basil – que ficou só nisso mesmo – e certamente deixou uma ratinha apaixonada por laços cheia de ciúmes.


Como disse tia Xuxa no encarte do álbum: vamos todos juntos gritar: Hey Mickey!




quarta-feira, 22 de julho de 2015

A chegada do "Joãozinho"

Por: Augusto Santos

Em 1998, "após os hormônios de Sasha", surge uma vasta cabeleira para os padrões da rainha. Nos programas Xuxa Park 12 anos é possível conferir vários momentos de Xuxa com o seu "novo" visual: um corte quase reto, com bons dedos abaixo dos ombros. Para os fãs aquilo era quase inédito: uma Xuxa que citava seu cabelo (a frustração ligada as escassas madeixas sempre fez com esse tema mal fosse abordado...) e o exibia com orgulho.


Minuto 18min40 do vídeo:


Novembro de 1998

O visual mais poderoso podia ser conferido no Xuxa Park, quando a rainha economizava seus apliques para os altinhos do Planeta Xuxa.


Janeiro de 1999

Não durou muito... Durante férias em Fortaleza, Xuxa radicalizou com o apoio do seu então cabeleireiro Mauro Freire. Em vez de dedos, ela tirou "palmos de comprimento". A justificativa: estava cansada do "visual das xuquinhas" e sofria de quedas pós-parto, com um cabelo enfraquecido. E o resultado foi uma Xuxa nova, com um "Joãozinho" não visto desde os tempos de modelo.






O corte adotado por Xuxa nesse ano era assimétrico e com fios desfiados atrás, como se seu cabeleireiro ainda não quisesse chocar tanto os fãs. O visual virou tendência, principalmente por vir acompanhado de diversas tiaras e adereços para cabelos, como presilhas.


Novembro - dezembro de 1999

A partir daí, um padrão se estabelece na próxima década: Xuxa surge "renovada" (leia-se quase sem cabelo) no começo do ano e aos poucos vai relaxando o visual ao longo do ano, deixando vários centímetros a mais no corte - para deleite e eterna esperança dos fãs.





Maio de 2000

Com vários programas gravados antes de sair de férias, em fevereiro de 2000, Xuxa manteve, aos olhos dos telespectadores, o visual acima até abril de 2000. Com as cirurgias plásticas que fez no início do ano, veio também a decisão de tirar o que pudesse do restinho de cabelo que ainda havia. E eis que temos uma Xuxa com um "Joãozinho" super tradicional e com a nuca batida. Ou seja, não restou muita coisa, a não ser um rosto lindo ainda mais em evidência.



Dezembro de 2000

Ops! Nossa tendência se prova novamente e Xuxa esquece um pouco o corte. No final do ano, os fios estão mais longos, com direito a franjão no Natal do Planeta Xuxa e na pré-estréia de Popstar.


Março-Abril de 2001

Para a volta do Planeta Xuxa, com o então fotógrafo oficial André Schiliró, Xuxa capricha na sessão de fotos e nos premia com registros desse tipo:


Mas aí o nosso querido Mauro Freire vem e passa a tesoura para as gravações no Projac (sim, porque nas primeiras externas do Planeta Xuxa o visual acima pode ser conferido).


Outubro-Dezembro de 2001

Ao longo do ano, nossa tendência ressurge e as melenas da rainha antecipam o hit "livre estou, livre estou", superando o crescimento dos anos anteriores. Cadê o corte, Maurinho?... Nada não!


E continuou crescendo... No próximo post mostramos que nem só de "Joãozinho" viveu nossa rainha nos tempos atuais. Analisamos o visual chanel que veio à tona entre 2002 e 2004,

Xuxa.com.br - O primeiro site da Xuxa

Não é de hoje que Xuxa é considerada a Rainha da internet. Seu primeiro site foi lançado em abril de 1996 e em 8 meses já havia conquistado 200 mil acessos - algo bem expressivo para uma época que a internet estava começando a se popularizar. No final daquele ano, Xuxa foi entrevistada pela revista Internet World, na edição publicada em dezembro de 1996, na qual contou mais detalhes sobre sua página recém lançada e revelou as novidades que estavam por vir.


E para quem tem curiosidade de saber como era o antigo site da Xuxa - e ainda ter acesso a algumas das fotos e arquivos publicados na página, que se tornaram raros hoje em dia - basta digitar o endereço www.xuxa.com.br no site Way Back Machine - Internet Archive. É possível navegar em várias das épocas que o site esteve no ar através do calendário disponibilizado pela página.

Confira abaixo a entrevista de Xuxa para a Internet World:



POR ELISA ANDRIES 

A Rainha dos Baixinhos embarca em uma nova onda: conquistar o ciberespaço. 
DEFINITIVAMENTE, XUXA ESTÁ DE BEM COM A VIDA — E COM A REDE. 

Com agenda lotada e uma rotina eletrizante de shows e gravações, a Rainha dos Baixinhos parte agora para uma nova empreitada: conquistar o ciberespaço. E já confirma sua fama de Rei Midas também na Internet, trans formando em ouro — ou melhor, em acessos — tudo o que toca. Sua home-page é uma das mais visitadas do Brasil. 

Desde que entrou no ar, no final de abril deste ano, foi acessada mais de 200 mil vezes. O resultado é uma avalanche de e-mails, que Xuxa procura responder todos os dias, instalada confortavelmente em algum cômodo de sua casa, no Rio. Em entrevista exclusiva à Internet World e para delírio da legião de fãs que seguem a apresentadora onde quer que ela passe, Xuxa avisa: logo, logo estará lançando uma sala de chat, onde conversará em tempo real com os “xuxanautas” cadastrados em sua home-page. A data para o primeiro encontro virtual ainda não foi marcada. 


Enquanto isso, seus admiradores podem acessar a Internet para saborear textos sobre a vida da apresentadora, ouvir parte das músicas de seu último álbum, “Tô de Bem com a Vida”, e capturar dezenas de fotos da estrela espalhadas no site. Pelo visto, o enorme sucesso no mundo real tem tudo para se repetir no mundo virtual.


Internet WorldQual o objetivo da apresentadora, modelo e empresária Xuxa ao se lançar na Internet? O que a levou a disponibilizar um site com informações sobre sua carreira e suas atividades? 
Xuxa — A Internet é um meio moderno de comunicação. Um meio fácil para qualquer pessoa se comunicar com milhões de fãs. Eu adoro isso! Afinal, é natural a curiosidade sobre mim, sobre minha carreira. 

IWVocê é uma pessoa pública e, além de sua página oficial na Web, existem dezenas de outras feitas por fãs. O que você acha disso? 
Xuxa — Não vejo problema nisso. Meus fãs já colocaram no ar mais de cem home-pages. Mas a única autorizada é a que está no endereço http://www.xuxa.com.br. A oficial é esta. Fico feliz com a lembrança e o carinho do público. 



IW Quantos e-mails você recebe por dia? Você responde todos pessoalmente? 
Xuxa — Recebo cerca de 200 e-mails por dia. Eu leio todos e, como a maioria é de elogios e comentários e não pede resposta, consigo responder a todos pessoalmente. 

IW - Você acessa a internet de casa? 
Xuxa — Sim. Eu costumo procurar sites de diferentes assuntos nos índices de busca Yahoo (http:// www.yahoo.com) e AltaVista (http: //www.altavisla.diqital.com). Atualmente, tenho visitado sites de moda como o First View (http:// www.firstview.com), que tem milhões de fotos dos desfiles das co leções de mais de cem estilistas de todo o mundo. 

IWVocê já experimentou o bate- papo on-line? 
Xuxa — Não. Eu tenho o meu próprio Chat Room pronto em um provedor. Mas, como minha agenda é superlotada, ainda não consegui inaugurar o canal. Pelo que sei, centenas de pessoas já se cadastraram para conversar comigo. 


IWExistem maneiras de se conversar com pessoas pela Internet sem que o interlocutor se identifique. Por ser uma pessoa muito conhecida, você acredita que este é um bom meio para se conversar anonimamente? 
Xuxa — Não pretendo conversar anonimamente. E esta é a grande inovação do meu Chat Room. As pessoas escrevem através do link de e-mail da minha página oficial e deixam seu nome completo, endereço eletrônico, telefone e endereço real. Quando o Chat Room for inaugurado, serão enviados e- mails às pessoas que se cadastraram para conversar comigo, e es tas pessoas receberão as senhas de entrada no Chat Room. 


IW — Além do site Web, onde você fala de sua vida e de seus projetos, você tem planos comer ciais para a Internet, como vender produtos que levam a sua marca? 
Xuxa — Sim. Venderemos diversos produtos através da home-page oficial, mas ainda não temos data definida. Uma das linhas de pro dutos está ligada ao projeto “Defensores da Natureza”, cujo resultado da comercialização será destinado aos projetos ecológicos do País, a exemplo do cartão de crédito “Defensores da Natureza”.


IWNo site oficial já existem páginas do projeto “Defensores da Natureza”. Qual o retorno que você está tendo disso? 
Xuxa — O projeto “Defensores da Natureza” já tem endereço próprio (http://www.defensores.com.br). O retorno começará a ser medido agora. Mas, nos quatro dias que se seguiram ao lançamento, recebemos mais de 20 mil e-mails endereçados ao “Defensores da Natureza”. Isso mostra a importância do projeto. 


Clique aqui para acessar a página sobre os Defensores da Natureza do antigo site

IWQuais são seus próximos planos para a Internet? 
Xuxa — Já foi introduzido som online no meu site. Meu último CD, “Tô de Bem com a Vida”, tem clipes musicais de 30 segundos de todas as 14 músicas lá. Este CD foi o primeiro disco brasileiro lançado simultaneamente em rádios, na TV e na Internet, com to dos os clipes de som. O uso de som será mais explorado. O próximo passo será a introdução de vídeo e mais interatividade. 


Ainda é possível acessar essa página e baixar todos os áudios clicando aqui


IW Você pretende investir na rede? 
Xuxa — Pretendo. Fui informada de que faço parte de um grupo muito pequeno de personalidades em todo o mundo com potencial para receber mais de um milhão de visitas por ano no site. 


IWO que mais te fascina na Internet? 
Xuxa — O fato de que a Internet é de todos, é barata e por isso mesmo aproximou os povos. Mais de 3 0% das visitas à minha home- page são de fora do Brasil, com grande parte vinda dos Estados Unidos, países da Europa e da América Latina. No Brasil, estou em contato permanente com pessoas de todos os estados. Uma coisa que não dava para imaginar até poucos anos atrás. 



IWO que muda, daqui para frente, com a chegada da Internet? 
Xuxa - A Internet permite que as pessoas se exponham mantendo sua privacidade. No meu caso, a rede permite visitas eletrônicas a amigos e admiradores, participação em debates e até mesmo “bater perna” com calma em um shopping virtual. Isso eu só consigo mesmo na Internet.

terça-feira, 21 de julho de 2015

5 músicas da Xuxa em espanhol não lançadas

Não é só por aqui que Xuxa acumula diversas músicas gravadas jamais lançadas em sua discografia. Na sua passagem pelos países de habla hispana, a Rainha regravou diversos dos seus sucessos em espanhol e muitos deles também não chegaram a entrar nos seus discos lançados por lá. Algumas dessas músicas sequer foram cantadas e apresentadas ao público. Listamos 5 canções regravadas em espanhol e não foram editadas em nenhum álbum. 


1. Estrela Guia
A tradicional música de natal ganhou versão em espanhol e foi cantada pela 1ª vez no especial de natal do Show de Xuxa de 1991, sendo executada novamente no especial de 1992.






2. Espelho Meu
Lançada por aqui apenas em 1993, a música Espelho Meu foi primeiro executada em espanhol, na 1ª abertura da temporada 92 do Show de Xuxa. Curiosamente essa abertura saiu rapidamente do ar e foi substituída por imagens do clipe Lua de Cristal, do Especial de Natal de 1990. 



3. Terra e Coração
Também lançada em 1993 no álbum Xuxa, a música Terra e Coração deu primeiro as caras na Argentina em 1992 na versão em espanhol, sendo jamais lançada. Provavelmente a música estava cotada para entrar o álbum Xuxa 3.



4. Festa do Estica e Puxa
O programa Xuxa Park, transmitido em 1992 na Espanha, também revelou algumas músicas gravadas em espanhol que acabaram sendo descartadas. Músicas da Xuxa na versão instrumental serviam de trilha durante as gincanas da atração. Assim, é possível ter uma ideia do que seria a versão em espanhol de Festa do Estica e Puxa, que tocou no programa diversas vezes.




5. Sorriso no Rosto
Uma das faixas menos conhecidas do Xou da Xuxa Sete também seria lançada em espanhol. Pelo menos a versão instrumental com coro pôde ser ouvida algumas vezes no Xuxa Park da Espanha, como mostra o vídeo a seguir.




Em 1993, a Rainha se dedicou à sua carreira nos Estados Unidos e não gravou nenhum disco. Porém, o público brasileiro saiu ganhando com o álbum Xuxa, que compilou diversas sobras de estúdio e temas de programas especiais que ainda não haviam sido editados em nenhum álbum. Na América Latina, preferiram lançar o disco Todos Sus Exitos, reunindo os maiores sucessos da Xuxa em espanhol até então. Teria sido uma ótima oportunidade de tirar da gaveta essas versões em espanhol inéditas que dificilmente os fãs terão acesso um dia...


segunda-feira, 20 de julho de 2015

Música: Jogo da Rima

Por: Leandro Franco

Xuxa, Xuxa, bo-buxa,
Banana-fana fo-fuxa
Fee-fi-mo-muxa
Xuxa!

Opa! Como assim? O Xuper Blog está escrevendo em que dialeto? Tá xingando a Xuxa? É isso mesmo, produção? Nada disso, esses versos são apenas o Jogo da Rima, ou melhor, The Name Game, usando a regra original com o nome de quem o trouxe para o nosso Brasil e América Latina também. 


Em 1994, ano de novidades na carreira de Xuxa – programa novo! –, ela lançou o álbum Sexto Sentido, o primeiro disco pós era Xou da Xuxa (o Xuxa de 1993 entra nessa classificação porque suas músicas eram faixas não aproveitadas de trabalhos anteriores ou especiais da TV).
O Sexto Sentido continuava o diálogo de Xuxa com as faixas mais crescidinhas, iniciado no Xou da Xuxa Sete, mas agora havia algo mais consistente: não se tratava de um disco com músicas do programa.


De cara, Jogo da Rima ganhou a simpatia do público. Fácil mesmo! Como errar? Rimar sempre foi divertido, o ritmo era animado e envolvente e a letra simples! 
Para o mercado hispânico, a canção se tornou Juego de La Rima e foi lançada no álbum El Pequeño Mundo, também em 1994.

A Origem
O ano era 1964 (isso mesmo, 51 anos atrás), a cantora americana Shirley Ellis compôs em parceria com Lincoln Chase uma música que brincava com os nomes das pessoas. Tiro certeiro! Nascia The Name Game. Até o fim de sua carreira e vida, Shirley colheu os louros de sua inocente brincadeira que chegou a ser #3 na Billboard Hot 100.



Para nós, o jogo de rimar acontece com todas as palavras, certo? Foi assim que tia Xuxa nos ensinou. Para Shirley isso só valia para nomes próprios e a regra era sempre a mesma: repete-se o nome duas vezes, seguido das expressões bo-b (nome da pessoa sem a primeira letra) / Banana-fana Fo-f (nome da pessoa sem a primeira letra) / Fee-fi-mo-m (nome da pessoa sem a primeira letra) e fecha com o nome da pessoa completo de novo! Explicando assim fica estranho, mas na música a gente sabe que deu muito certo.

As versões
São inúmeras as versões da música. A maioria feita por cantores sem tanto apelo no Brasil, entretanto, não se limitavam aos cantores; programas de TV americanos chegaram a promover brincadeiras em seus auditórios onde os participantes tinham que se virar para fazer a regra correta, o que rendia boas risadas. Como? Já imaginaram alguém cantando The Name Game com o nome Chuck. Ops!

Até séries e desenhos animados entraram no jogo. Quem não se lembra de Tinny Toon? Perninha e Lilica, Felícia e Cia ltda? Eles também fizeram sua versão no episódio Toon TV (3ª temporada, episódio 90).



Recentemente a série American Horror Story, em seu episódio 10 (que recebeu o nome de The Name Game), da segunda temporada (chamada Asylum), apresentou praticamente um clipe musical com a protagonista Jessica Lange.



Então já sabem: AHS não canta música DA Xuxa, como muita gente insiste em dizer.

As versões de Xuxa
Xuxa fez sua versão para The Name Game em dois idiomas: português e espanhol. Adaptar a canção para essas línguas foi obra de Zé Henrique, Marcelo Faria (ambos do Yahoo) e Angel Mattos. Em espanhol, provavelmente, houve o acréscimo de Graciella Carballo, que normalmente participava dessas adaptações português/espanhol.


O caminho seguido pelos autores foi abranger a brincadeira de rimar para TUDO! Animais, objetos, lugares, ritmos, artistas e fazer crescer a letra e a duração da música – a maior já lançada por Xuxa, 5:51min. Além disso, a ordem era ter uma pegada “geração saúde” e aliar a brincadeira de rimar à filosofia de “mexa-se”, afinal, Xuxa sempre incentivou isso desde seus tempos de Aquecendo (Ginástica), no Xegundo Xou da Xuxa (1987).


Rapidamente a música se tornou um ‘hino fitness” pros baixinhos. A expressão “gordurinha, gordurão vai saindo de montão” virou moda e até hoje é nome de blogs e programas de emagrecimento, basta jogar no Google pra comprovar. Curiosamente Xuxa já usava esse “mantra” nos tempos do Xou, fazendo algumas menções na década de 80.

Português x Espanhol
Significativas diferenças acontecem entre os idiomas; não só na letra, como também nos arranjos. A versão em espanhol recebeu um arranjo totalmente novo com maior ênfase na percussão e elementos não ouvidos na versão brasileira.


Na letra, a “gordurinha” que ia saindo de montão aprendeu que não havia perdão para ela nesta ocasião. As cidades do Brasil deram lugar aos países do mundo e, na parte dos artistas, Daniela Mercury e Cláudia Raia deram lugar a Gloria Trevi e Luis Miguel.




O single mexicano
Juego de La Rima foi um dos singles lançados oficialmente. Sua embalagem, em envelope de plástico PVC, reproduzia a foto  do encarte e trazia duas versões da música: a do álbum e a versão editada.


Para que a letra não sofresse cortes e pudesse caber na versão editada, parte do instrumental, principalmente entre as estrofes, foi cortada, bem como várias das introduções de Xuxa resultando em algo meio desconexo e apressado, resumindo: mal feito (minuto 5:52 do vídeo abaixo).



Versão da Chiquinha do Chaves
Agora sim! Essa pode ser classificada como uma versão de música da Xuxa. A “Chilindrina” usou não só a base dos arranjos como grande parte da letra em espanhol. A faixa saiu no seu disco Aquí Está... La Chilindrina, de 1996, e sua versão é bem menor, pois suprimiu alguns versos.



Na parte dos artistas, Chiquinha substituiu Gloria Trevi por Veronica Castro e manteve Xuxa, ou melhor, a Suxa. Que pronúncia é essa? Suxa! 
Às vezes me pergunto se era mesmo da Xuxa que ela estava falando...

Versão remix do Xuxa 10 anos.
Quando lançou o álbum comemorativo Xuxa 10 anos (1996), Jogo da Rima foi uma das selecionadas para ser remixada.


O remix do DJ Memê, que empolgou muita gente, foi construído com base numa das versões mais famosas de The Name Game: a de Laura Branigan, em 1987. Reparem que muitos dos elementos do remix, principalmente na introdução, seguem o mesmo caminho da versão da cantora americana. Muita inspiração e uma pitada de originalidade.


Os clipes e performances
Jogo da Rima teve dois clipes: o primeiro no quadro Xuxa Clip - do Xuxa Park - e o segundo no Especial de Natal, Crer pra Ver, ambos em 1994. O primeiro clipe teve locações na praia e gravações em estúdio mostrando Xuxa no comando de uma malhação ao ar livre. Simples, mas eficaz.


O segundo vídeo foi gravado num condomínio do Rio de Janeiro e já é um pouco mais trabalhado. Temos até um “efeito especial” das pessoas emagrecendo no “gordurinha, gordurão”. Xuxa aparece fazendo vários exercícios aeróbicos enquanto canta. Há a participação do You Can Dance e dos figurantes do quadro “Malhaxão” do Xuxa Park. Tem até uma cosplay de Daniela Mercury!


Xuxa performou a música no Xuxa Park, Xuxa Hits, Domingão do Faustão e no show Sexto Sentido, na época do lançamento. Anos depois, já no TV Xuxa diário (2005), ela cantou a versão remixada. Mesmo após 11 anos Xuxa usou a coreografia original da música, numa época em que várias coreografias foram significativamente modificadas.


O sucesso e o reconhecimento
Como já falamos, Jogo da Rima ganhou a simpatia do público imediatamente. E essa resposta fez com que a música garantisse seu lugar não só no coração dos fãs, mas também nos registros da carreira de Xuxa. Mesmo em 1995, já com o disco Luz no meu Caminho no mercado, Jogo da Rima foi eleita a música mais tocada do ano, o que garantiu à Rainha mais um prêmio para sua prateleira: o troféu Xuxa Hits 95.



Já em 1997, a música foi escolhida para figurar na primeira coletânea oficial de sucessos da loira, Xuxa Hits, lançada pela, hoje extinta, Globo Disk.

Jogo da Rima é a 2ª faixa do volume II

Rima 2 (A Malhação Continua)
Em 1998, no disco Só Faltava Você, optaram por criar uma “continuação” de Jogo da Rima. Parece que na música, assim como no cinema, as sequências também têm sério problema para alcançar êxito.


Rima 2 não funcionou. A música é bonitinha, mas não chega a 1/3 da empolgação transmitida pela “Rima 1”. Xuxa novamente faz seu mantra do gordurinha, gordurão na “continuação”.
Vamos que vamos, todo mundo vamos lá... continuar o que é único nunca vai funcionar! É, faltou essa rima...

Se fosse hoje...
Acho que ninguém tem dúvidas que se Jogo da Rima fosse lançada hoje a “baianinha” Daniela Mercury cederia o lugar para outra conterrânea, Ivete Sangalo. Já fizemos os versos pra você, Xuxa:
Corre, corre, corre, Ivete
Tem ladrão com canivete
Querendo te assaltar

E você? Já testou seu nome na regra original do Jogo da Rima? 



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...