quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Revista da Xuxa: Edições 4, 5 e 6

Por: Leandro Franco


Dando continuidade ao nosso propósito de mostrar as curiosidades da Revista da Xuxa, vamos ver o que nos trazem as edições 4, 5 e 6. Com essas seis edições em lançadas, o gibi da loira apresentava 10% de sua existência, muito pouco para se notarem mudanças significativas, mesmo assim há que se mostrar. Vamos lá?


Edição 04

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 4

Lançada em março de 1989, a revista traz mais uma vez Xuxa em uma história que se passa em outro planeta, o “Planeta dos Baixinhos”. Óbvio que nossa heroína vai usar todas suas “armas” para restabelecer a alegria aos habitantes desse lugar que, certamente, seria o planeta onde Xuxa queria morar... Se a história segue pelos caminhos do óbvio, sua importância reside no fato de que é nela que vamos ter a primeira aparição do Xuxinho, o filhote do Xuxo. Xuxinho é um cãozinho bem esperto pra idade que tem e sabe fazer melhor aquilo que Robuxo, filhote da nave Xuxa, deveria saber : pilotar a nave.


Na historinha das Paquitas, podemos vê-las com um traço diferente que em nada se parece com o que foi usado na capa da edição 3 ou até mesmo nas fichas-perfil. Novamente elas voltam ao estilo do primeiro ano de Xou da Xuxa – uniformes com cores invertidas para blusas e chapéus. O traço dessa história as deixa tão parecidas que é quase como se fossem gêmeas.



E ainda tivemos “participação especial”! O grupo Dominó aparece retratado pela primeira (e única) vez nessa história. E não é que ficaram até parecidos?


No Correio da Xuxa,  uma baixinha sugeriu que Xuxa, depois de história em quadrinhos, virasse desenho animado e Xuxa respondeu dizendo que gostou da ideia. Pouco tempo depois tivemos a marcante abertura em desenho animado do Xou da Xuxa.


As fichas-perfil ficaram para Leninha, Angel, Mumu e Paulista.




A empresa Faster permaneceu como anunciante, porém com um novo anúncio dos tênis da Xuxa. Essa parceria vai durar até a edição 7.



Edição 5


Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 5

Número novo e, claro, viagem espacial nova. Mais uma de Xuxa no espaço sideral, dessa vez ela encontra uma criatura que lembra a Cuca do Sítio do Pica-Pau Amarelo .



Em “Música Apaixonada”, um deslize dos coloristas: a Xinha ficou branca! Ops...


E o Correio da Xuxa começa a dar ares de internacionalidade: cartinhas vindas de uruguaios (mas residentes no Brasil), da Tchecoslováquia (ainda não dividida) e dos Estados Unidos (New Jersey) chegam à redação da Revista. Uma coisa que não poderíamos afirmar era se a própria Xuxa respondia essas cartinhas selecionadas para publicação. Diferentemente do que temos hoje com o Facebook, só nos restava confiar. Mas quem acompanha as respostas de Xuxa nas redes sociais e até mesmo seu jeito de conceder  entrevistas verá que é enorme a possibilidade da própria Xuxa ter respondido as correspondências, pelo menos num primeiro momento.
Vejam a resposta para a garota da Tchecoslováquia, citando a irmã Mara Rúbia.

Bem Xuxa, não?

Na história da Vovuxa – “O Dragão Malvado” – vemos que a preocupação com a alta do dólar é tão antiga quanto as histórias de reis, seus castelos e dragões ameaçadores...


Na história “Loucura de Amnésia” encontramos Sandrão, Fessora, Martinha e Di Junior. Todos inspirados em pessoas do círculo de amizades de Xuxa na época. E são esses personagens que vão aparecer nas fichas-perfil do mês.


Sandrão é a personagem inspirada na figurinista Sandra Bandeira, responsável pelas roupas de Xuxa no Xou da Xuxa. Martinha também fez parte da equipe de figurinos do programa e seu nome também aparecia nos créditos do Xou da Xuxa (Marta Delgado).


Falaremos de Fessora e Di Junior mais pra frente.
E mais uma referência: Xuxa recupera sua memória quando ouve uma música do Trem da Alegria.


A faixa Xa Xe Xi Xo Xuxa foi lançada no 4º LP Trem da Alegria em 1988 e foi um dos sucessos do álbum. Lembram?



E um novo personagem surge: o índio Xuxulé! Esse indiozinho é apaixonado pela Xuxa e pertence ao núcleo de Tupinixim, mas não vai ter longa vida nas aventuras. Ele não é mais citado nas próximas edições. Curiosamente Xuxa demonstra que já o conhece e sabe o tanto que é encrenqueiro.


A referência da história fica na comparação da fumaceira armada pelo índio com o nível de poluição da cidade de Cubatão / SP, que naquela época  havia sido declarada pela ONU como a cidade mais poluída do planeta. Felizmente já no ano seguinte, 1990, a cidade reverteu essa situação e se tornou exemplo de recuperação ambiental.


Alguém aí notou a semelhança da roupa que Xuxa aparece na história com a utilizada no programa do vídeo abaixo?


Edição 6


Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 6

Olho nesse biquíni da Xuxa! Vai se tornar uma espécie de traje oficial para aventuras no litoral. A propósito, a edição 6 é a primeira que traz a uma historinha com o mesmo figurino da capa.



No Correio da Xuxa, uma baixinha reclama a ausência do personagem Frentinha, companheiro do Moderninho nos sorteios do programa Xou da Xuxa.  Xuxa responde que ele vai “pintar” desde que apareça uma chance. Bom, não apareceu e o Frentinha nunca integrou a turma da Xuxa nos quadrinhos.



Uma cartinha do Chile chamou a atenção de Xuxa que logo quis saber o que as crianças de lá tinham para ver e ouvir...


Na última historinha do gibi, Tupinixim enfrenta o dilema de ter que fumar um cachimbo pra mostrar que é valente e Xuxa, claro, não vai deixar essa história ir adiante. Estava dado o recado: fumar pra quê? Pra que fumar?



O curioso é a ascensão hierárquica do personagem Paxuxo. Lembram que lá na edição n.2 ele era o pajé da tribo de Tupinixim? Pois então... agora o índio virou Cacique. Será que foi promoção por antiguidade, cumprimento de metas ou votação da tribo?

No quadrinho de cima, da edição nº 2, Paxuxo é chamado de Pajé;
no quadrinho de baixo, da edição nº 6, Tupinixim chama Paxuxo de Cacique

Na mesma aventura, Tupinixim cita o verso do refrão mais famoso do grupo de rock Ultraje a Rigor: “a gente somos inútil”. A música Inútil foi lançada em compacto no ano de 1983 e foi o primeiro grande sucesso da banda.


As fichas do mês são: Dona Praga, Mama Alda, Maria e Vovuxa.

 

Estão gostando? Logo, logo teremos mais 3 edições pra comentar. Fiquem de olho. No mais...



terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Programa Xuxa Meneghel #25 - 08/02/2015

O 25º Xuxa Meneghel fez bonito em seu programa de carnaval. Na resenha de hoje, a comissão julgadora do Xuper Blog avalia a performance do programa dividindo-o algumas em categorias:


Fantasia - Nota 10


Somos entusiastas do estilo boyish adotado desde o começo da sua empreitada na Rede Record, mas não podemos negar o quanto faz bem variar um pouquinho de figurino, nem o quanto gostamos de ver nossa Rainha com as pernocas de fora. E a ocasião pedia. Amamos pra sempre ver Xuxa de Charlie Chaplin, inevitavelmente fazendo referência a vários outros figurinos utilizados em outros momentos da sua carreira. Alguns exemplos: TV Xuxa Dia da Criança 2012, TV Xuxa Carnaval 2013, 1ª abertura do Xou da Xuxa...


Enredo - Nota 10
Não teve um momento que tivemos vontade mudar de canal. Vamos analisar cada momento:

- Festa fora do apê
A externa que abriu o programa foi divertidíssima com nossa Rainha comemorando o aniversário de Latino e se aventurando ao lado do cantor ao andar de paraseio (#conexaoxuxafeelings). Ver Xuxa e outros artistas fazendo esportes radicais é inusitado e divertido, algo que poderia ser sempre explorado.


- David Brazil na lata
O quadro que muitas vezes peca na seleção dos candidatos, dessa vez acertou em cheio. Os três grupos de dançarinos fizeram bonito em suas apresentações e deixaram todos boquiabertos. Não vamos achar ruim se o quadro continuar com candidatos bem preparados, sem se estender boa parte do programa como aconteceu em edições anteriores. Ontem foi tudo redondinho.


Ponto alto também para os jurados que, além de Latino, contou com a atriz Larissa Maciel e David Brazil, que roubou a cena com seus comentários espirituosos. O promoter não dava as caras em programas da Rainha desde os tempos que tinha um quadro no "Planeta Xuxa". Só faltou sua música tema do extinto programa: "Venenosa eh êh êh êh êh..."



- Latino
Mesmo quem não gosta do cantor provavelmente curtiu o medley com o qual Latino se apresentou no palco. Sempre presente nos programas da Rainha desde os tempos do "Xuxa Hits", impossível não associar cada uma das músicas a um determinado momento da carreira da Xuxa. Para os fãs, nostalgia pura.


- MC Biel
Biel vem dando o que falar nas últimas semanas e foi um dos grandes destaques do programa. Por conta do seu público cativo, o programa emplacou no Twitter a hashtag #BielnaXuxa, que ficou nos trending topics durante a exibição.


- Corta!
Mas o grande destaque da noite foi a estreia de uma nova brincadeira: "Corta". A disputa entre Biel e David não poderia ser melhor. O apavoramento do promoter com medo de se estabacar no chão provocou uma crise de risos na apresentadora, como se não via há muito tempo. Como não amar?


Mas na realidade, o game não é tão novo assim... Em 2014, nos últimos "TV Xuxa", a brincadeira foi realizada duas vezes, com a única diferença que o participante perdedor caia em uma piscina.

Victor e Luis Miranda participam do game nos tempos do "TV Xuxa"

Harmonia - Nota 10
Com a animação em alta, a plateia se mostrou contagiada e transmitiu uma energia como não se via há um bom tempo. Será que a presença de caravanas de fãs no programa já surtiu efeito? Parece que sim... :)


Evolução - Nota 10
Não podemos negar que o programa teve um ótimo ritmo do começo ao fim. Se isso se deve ao novo diretor ou foi só coincidência (uma vez que várias edições mais antigas do "XM" também não deixaram a desejar), só o tempo vai dizer. Mas a estreia do programa sob nova direção começou com o pé direito e rendeu momentos muito divertidos. Que continue sempre assim!



Curiosidade: Durante o bate-papo com o cantor Biel, Xuxa revelou que tem SETE tatuagens. O número pode assustar, mas não tem nenhuma tatuagem sua que o público não conheça:

1
                                                                          



2




3


4

5

6



7
Seriam 8 se Xuxa não tivesse acidentalmente tirado a pombinha tatuada ao lado do nome de Dona Alda :/

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Revista da Xuxa: Edições 1, 2 e 3

Por: Leandro Franco


A partir de hoje, vocês poderão acompanhar aqui no Xuper Blog resenhas das edições da Revista da Xuxa e fazer o download de cada uma delas. Vamos abordar da forma mais completa que conseguirmos as curiosidades, as referências das histórias e as características dos personagens ao longo desses posts especiais.  Tentaremos manter o número de 3 edições por post e disponibilizaremos um arquivo pdf de cada número nas respectivas postagens. Embarquem conosco nessa viagem ao passado, relembrem ou conheçam cada aventura da Xuxa dos quadrinhos e sua turma.



A número 1
“XEGUEI” ... assim mesmo, com X, Xuxa  chegou pra fazer “história” nas Histórias em quadrinhos.
Depois de uma bem arquitetada estratégia de lançamento da sua revistinha em quadrinhos (que a gente mostrou aqui) chegou a hora de dar o primeiro passo, o oficial, rumo ao universo dos gibis. A Revista da Xuxa n.1 chegou ao mercado em dezembro de 1988 com a missão de disputar de igual pra igual a atenção dos leitores mirins, que já estavam acostumados com a Turma da Mônica, Os Trapalhões, personagens da Disney...

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 1

Com uma tiragem de 700 mil exemplares, a n.1 tinha um propósito: deixar bem claro: “existe Xuxa nas bancas, pessoal. Sabe a Xuxa de todo dia de manhã? Tem revistinha dela na banca”.
Por essa razão a capa foi  simples e objetiva: foco no rosto de Xuxa, fundo branco, nenhum outro personagem e o “XEGUEI” em letras tão grandes quanto o próprio nome da apresentadora.



Ao longo de 5 histórias, podemos conhecer como será o universo Xuxa nos quadrinhos: muitas viagens espaciais, muita dificuldade em encontrar o paquera ideal e claro, muitos amigos dividindo essas aventuras. A primeira história nos apresenta os quatro baixinhos mais próximos de Xuxa: Angel, Leninha, Mumu e Paulista. Todos quatro personagens surgiram a partir da inspiração em pessoas reais: Angel e Leninha são irmãs. Angel é a irmã boazinha, enquanto Leninha é a irmã nervosinha, mal humorada mesmo. Não precisamos dizer mais nada, certo? Angel Mattos e Marlene Mattos. 


As referências vão desde o temperamento de cada uma até os cabelos anelados. Leninha é dona do bulldog Bruce e Angel da cachorrinha Xinha. Mais referências... Quem não se lembra de Xuxa contando no Xou da Xuxa sobre Xinha que chorava cada vez que a nave ia embora ao final de cada programa?


Já sobre Bruce não temos conhecimento de algum bulldog de Xuxa com esse nome, o cachorro leva características de Leninha: os óculos e o humor nada agradável.



Paulista é como se o supervisor da Revista da Xuxa e então ilustrador/desenhista da Xuxa Produções, Reinaldo Waisman, se transformasse em baixinho de novo. Possui um lápis mágico que permite que seus desenhos ganhem vida. Os cabelos loiros encaracolados e os olhos mais arregalados são características aproveitadas no personagem.



Mumu foi inspirado no sonoplasta da Rede Globo,  o My Boy, especialmente no programa Xou da Xuxa.


Todo mundo se lembra de Xuxa chamando Mumu durante a brincadeira da Dança das Cadeiras, onde o rapaz tinha que ligar e desligar a música pras crianças sentarem nos cogumelos-cadeira.


Esses baixinhos já tinham dado as caras na número Zero. Quem aparece pela primeira vez é a fiel escudeira de Xuxa, a querida Maria. A senhora que cuida da casa e de Xuxa desde muito tempo também ganhou sua versão em quadrinhos. Nessa primeira aparição ainda há uma “confusão” no seu visual: ela aprece loira, em outras histórias aparecerá morena, depois loira de novo, mas na ficha da personagem, ela aparece morena. Vamos deixar perfil dela mais pra frente, ok?


Essa confusão de cores vai afetar muitos personagens ao longo da existência do gibi. O Dengue, por exemplo, aparece com a cabeça amarela em umas histórias e verde em outras.



Outra que dá o ar da graça (será mesmo?) pela primeira vez é a arqui-inimiga de Xuxa nos quadrinhos: Mocreia Fantástica. Num traço totalmente diferente e que não será mais visto nas edições posteriores, a invejosa moça já chega causando confusão. Sarcástica como só ela, a aspirante a apresentadora vai dar trabalho à nossa loira. E é nesse primeiro embate que descobrimos que Xuxa tem xuquinhas com super poderes!


Curiosidade: o moço que faz o coração de Xuxa balançar na primeira história não lembra bem o Junno? Coisas do destino? Madame Caxuxá saberia responder...



Um dos anunciantes da edição foi a Mimo, que apresentou a primeira coleção das Xuxinhas. Muita saudade, não é?


Edição  2


Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 2

Começando o ano de 1989, a edição de janeiro nos apresenta Tupinixim, o amigo índio de Xuxa. Não sabemos se Xuxa realmente tinha um amigo índio de verdade nessa época, mas sabemos da sua preocupação com a natureza e com o povo indígena, assim como sabemos do sucesso da música “Brincar de Índio” (1988). Tupinixim nos é apresentado em seu traço definitivo, já que na edição ZERO ele aparece totalmente diferente. Comparem:

À esquerda, a primeira aparição de Tupinixim, na edição zero, com traços bem diferentes.
À direita, Tupinixim na história "O Monstro do Mau Humor", publicada na 2ª edição.

Aparecem ainda, também pela primeira vez, o “faz-tudo” Samuca, o pajé Paxuxo, o baixinho fortinho e “protetor” de Xuxa, Jesus, o cavalo Apolo e o Tucano Tuca. Desses, o menos expressivo é o Tucano Tuca, que não vai acrescentar em nada nas histórias. Talvez tenham deixado o personagem de lado. Falaremos desses outros personagens  mais pra frente, ok?

A partir dessa edição começam a ser publicadas fichas com o perfil dos personagens. A “estreia” fica por conta das Paquitas em seu primeiro time: Paquita, Xiquita, Pituxa e Catuxa. Notem o uniforme ao estilo do primeiro ano de Xou da Xuxa: cores invertidas para chapéu e blusa.



Curiosidade: mal estreou a revista e diferente do que acontecia em seu Xou, já temos Xuxa “repetindo” seu figurino nas histórias, o que reforça a ideia de que já havia uma espécie de catálogo com os figurinos a serem usados. Não era simplesmente pegar as roupas da TV e passá-las para o gibi. Havia uma lista de opções e era bem limitada.

À esquerda, um quadrinho da edição 1. Já o quadrinho da direita foi publicado na 2ª revistinha: figurino repetido!
A primeira história desse número faz uma propaganda e tanto do disco Xou da Xuxa 3, lançado no ano anterior. Várias músicas são cantadas para “enfrentar” o vilão da aventura. Tá certo... quem canta, seus males espanta.

Página da histórinha "O Monstro do Mau Humor"


Edição 3
A terceira edição saiu no mês de fevereiro, por isso sua capa traz uma Xuxa carnavalesca.

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 3

Aliás, o tema Carnaval também é o da primeira história, que faz  uma referência ao carnavalesco Clóvis Bornay (falecido em 2005), famoso por criar fantasias de luxo para a folia.
Na seção Correio da Xuxa, uma baixinha sugere que seja feita uma boneca de papel da Xuxa e que haja a possibilidade de se trocar a roupa dela. È... a menina teve uma boa ideia, afinal foi exatamente isso que trouxe o número 1 da Revista de Montar da Xuxa, lançada no segundo semestre de 1989.


Na última historinha da edição, um candidato ao coração da loira se declara “gosto de você pacas!”. Coincidência de novo?


Não é assim que Junno já se declarou à Xuxa em entrevistas como a do Carnaval de 2013 para a TV Caras?


O anunciante da vez foi a Faster, responsável pela fabricação do Tênis da Xuxa.


E foi nesta edição que os leitores receberam o primeiro brinde oferecido pela revista: um pôster com o perfil dos personagens no verso e um super desenho da Xuxa e os personagens mais importantes na frente. Presentão!




Nosso próximo papo será sobre as edições 4, 5 e 6. Até lá!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...