sexta-feira, 1 de maio de 2009

Matéria: PAQUITA, O NOVO SONHO DE TODA MENINA-MOÇA

Jornal: Jornal do Brasil
Data: 8/9/1991
Autor: Ana Cláudia Souza

Pituxita, Catuxa, Xiquita, Pituxa, Paquitita, Miúxa, Catuxita, Xiquitita. Não se assuste se não conseguiu chegar ao final da frase sem ter tropeçado nos xis e com a impressão de que algum nome foi escrito a mais. Não foi. A própria fada-madrinha Xuxa (o xis original da questão), para não se atropelar em cena, criou novos apelidos para as oito meninas que diariamente ajudam a movimentar a blondie ambition brasileira.

Foi-se o tempo em que essas meninas tinham apenas a singela tarefa de ajudar a apresentadora Xuxa Meneghel a controlar os baixinhos que iam ao então Clube da Criança, na Manchete. "Com o tempo, as necessidades foram aumentando e Marlene Mattos criou as Paquitas e suas substitutas. Hoje, há bonecas Paquitas, elas gravaram o segundo disco, participaram de três filmes, há a grife PQT para adolescentes, enfim, ser Paquita hoje é uma profissão", resume Mônica Muniz, assessora de imprensa da Xuxa Produções.

Aliás, profissão bem remunerada, em que as cifras que engordam a conta bancária das meninas nunca são reveladas. "Elas ganham o suficiente", esquiva-se a mãe de uma delas, preferindo não se identificar porque não foi autorizada por Marlene Mattos, a respeitada e temida diretora do Xou da Xuxa. "A gente aqui serve de babá e motorista", brinca, orgulhosa, revelando apenas algumas fontes de renda das meninas: o contrato com a Xuxa Produções, os shows do grupo pelo país, os programas da Argentina, os filmes e os discos gravados pela Xuxa Discos - o segundo LP ainda não chegou às lojas, mas já é Disco de Ouro, ultrapassando a marca das 150 mil cópias vendidas.

Mas, pelo menos no paraíso louro das meninas, dinheiro não é fundamental. "A gente gosta do trabalho e de receber o carinho da Xuxa, nossa fada-madrinha", diz Priscilla Miranda, 13 anos de idade e três como Catuxita. "Antes, era mais que fã e sonhava conhecer a Xuxa", emenda a Pituxita Ana Paula Martins, 14 anos. Todas dizem não se importar com o rígido esquema profissional, que inclui viagens, sessões de fotos, horas de gravação, aulas de inglês, espanhol, ginástica, sapateado, jazz, voz, etiqueta e, o mais importante, a semelhança física com Xuxa. "Depois que a gente entra, não dá para largar isso aqui de jeito nenhum", resume a Catuxa Juliana Riva Baroni, de 13 anos.

DISCIPLINA DETERMINA PERMANÊNCIA NA EQUIPE - Se é Xuxa quem atrai centenas de crianças para a gravação de seu programa, é Marlene Mattos o alvo das meninas que vão ao programa tentando se tornar uma Paquita. "Algumas vêm sempre aqui e se fazem de boazinhas, porque sabem que estou observando. Mas não quero gente boazinha ao meu lado. Quero gente competente", dispara Marlene Mattos, a diretora do Xou, responsável pela escolha das auxiliares de Xuxa.

Sempre atrás das câmeras, Marlene Mattos não nega a fama de durona, conquistada ao longo dos sete anos em que se tornou figura central do Xou da Xuxa.

"As crianças sabem que sou centralizadora, que opino em tudo", reconhece a autora dos padrões que determinam o tempo de duração de uma Paquita no programa. "Paquita não comporta gordura excessiva, desrespeito aos horários, aos compromissos e ao trabalho", dita.

Orgulhosa por suas criações - "não tenho tempo para ser modesta: minhas Pa-quitas são únicas"-, Marlene não aceita o argumento de que a semelhança entre as meninas faz com que elas percam sua identidade. "Quando fazem o teste, elas sabem que vão perder o nome: serão Paquitas e farão parte de um grupo", diz a diretora do Xou. Ela afirma que ninguém é obrigada a clarear o cabelo. "Elas clareiam porque querem", diz a diretora, que desmente boatos de que, entre as Pa-quitas, esteja a substituta de Xuxa. "Há pessoas que são únicas", dispara, cortando todos os contra-argumentos.

NO MUNDO DA FANTASIA

- Ana Paula Martins: 14 anos, Pituxita Bonequinha. Para entrar no Xou, passou por dois meses de teste, concorrendo com 20 meninas. "Sonhava em conhecer a Xuxa. Tenho cabelo ralinho igual ao dela", conta. Aluna da 8 série, Ana Paula sonha em ter seu programa e cursar Psicologia.

- Juliana Riva Baroni: 13 anos, Catuxa Jujuba. Em 89 Juliana saiu de Limeira, interior de São Paulo, para morar no Rio. "A primeira coisa que me assustou foi ficar longe dos meus pais", lembra. "Mas amo o meio artístico, fiz três filmes e quero investir na minha carreira", diz.

- Bianca Rinaldi: 16 anos, Xiquita Bibi. Paulista, foi incentivada pela mãe a fazer o teste para Catuxa, perdeu e depois, tentou ser Xiquita, concorrendo com cinco mil meninas. "Quando disseram meu nome, parece que eu sumi do mundo", diz.

- Letícia Spiller: 18 anos, Pituxa Pastel. "Sonho em ser atriz", diz a mais velha das Paquitas. Recém-matriculada num curso de teatro, Letícia quer fazer Comunicação Social ou Artes Cênicas. "Quando você entra aqui, sua vida muda", garante.

- Flávia Fernandes: 15 anos, Paquitita Pluft. "Eu era um bichinho do mato", diz a ex-aluna da Escola de Circo que fez o primeiro teste aos 12 anos. Flávia está há nove meses no programa e diz que quer ser cantora ou modelo internacional.

- Cátia Paganote: 15 anos, Miúxa Bruxinha. Desfilando desde os três anos, Cátia fez 10 meses de testes para entrar no Xou e está há dois anos e meio no programa. Sempre às voltas com espinhas no rosto, também alimenta o sonho de ser modelo.

- Priscilla Miranda: 13 anos, Catuxita Top Model. "Já pensou meu filho dizer: 'mamãe já foi Pa-quita'?", diverte-se ela, insistindo em dizer: "eu sou criança". Antes de chegar ao Xou, desfilava para a loja da Xuxa, O Bicho Comeu.

- Roberta Cipriani: 15 anos, Xiquitita Surfista. A escolha para o programa, há quatro anos e meio, mudou a vida da família, que estava se mudando para Curitiba. "Meu pai largou o emprego, porque viu que aquele era meu sonho", conta, orgulhosa.

AGENDA CHEIA EXIGE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA - Antes de desembarcar no Xou da Xuxa, as meninas tinham em comum a vontade de conhecer a Rainha dos baixinhos e a descrença de que isso pudesse acontecer. "Imagina se uma caipira de Limeira vai conseguir alguma coisa", pensava Juliana Baroni, adolescente do interior de São Paulo que, sem os pais saberem, mandou fotos para o Xou, na época em que Xuxa procurava uma Paquita paulista. "Só de lembrar fico nervosa. Foi um dia inteiro de testes", recorda Juliana, escolhida Catuxa em fevereiro de 90 entre 1 mil 200 candidatas.

Ainda traumatizadas com a tentativa frustrada de seqüestro de Xuxa e da Pituxa Letícia Spiller, no início de agosto, elas evitam comentários sobre o episódio e não revelam detalhes que, de alguma maneira, comprometa sua segurança. Preferem falar da dificuldade em chegar ao Xou e das viagens que já fizeram juntas: conheceram Disneylândia, Espanha, Miami, Los Angeles, Nova Iorque, Argentina, México, Porto Rico, Chile, Paraguai e boa parte do Brasil.

"Como muitas garotas querem estar aqui, tudo é muito difícil. Então tenho que dar o melhor de mim", ensina Bianca Rinaldi, 16 anos. Falando sempre pelo grupo - "ninguém tem namorado; a gente acha que primeiro é o estudo, depois o trabalho", prega Priscilla -, as auxiliares de Xuxa têm uma agenda concorridíssima. Terça e quarta gravam o Xou, numa jornada que começa às 14h e pode acabar de madrugada; quinta, quatro delas vão a Buenos Aires gravar o programa para a televisão Argentina; domingo estão de volta para, segunda-feira, recomeçar a semana.

Todas louras, as meninas dizem que não têm que clarear o cabelo para se assemelhar à rainha. "Mas ninguém gosta de ser diferente, né?", argumenta a Miúxa Cátia Paganote, de cabelos encaracolados, clareados com leite, um "pouquinho" de água oxigenada, xampu de camomila e muito sol que, no entanto, não pode queimar a pele. Segundo Cátia, "muitas crianças vêm ao Xou para ver se a gente é de verdade". Todas aboliram da alimentação refrigerantes e chocolate, elegeram como cult os filmes Ghost e Na cama com Madonna, adoram passear em shopping centers e são fãs do Guns'n Roses, New Kids on The Blocks e Kid Abelha.

PIONEIRAS CONTINUAM NA TV - Em 84, quando Xuxa Meneghel ainda estava na Manchete, a primeira menina a ajudá-la foi Andréa Veiga, de 14 anos. "Xuxa dizia que Andréa era difícil para criança falar. Pensou num apelido e, como no programa havia o papagaio Paquito, surgiu a namorada dele, Paquita", lembra Andréa, 22 anos, que hoje é Carmem na novela Salomé. Além de Andréa, o primeiro time de Paquitas tinha Andréa Faria, a Xiquita Sorvetão, que hoje, com 18 anos, participa do programa Os Trapalhões e está lançando seu primeiro LP, Me leva pra casa, dedicado a Xuxa.

Depois da saída do Xou, Luíse Wischemam e Ana Paula Guimarães, Pituxa e Catuxa, tentaram fazer um programa de clips na TV Rio. "Não deu certo porque eles não cumpriram o contrato", recorda-se Luíse, 17 anos. Ana Paula continua viajando com Xuxa, para as gravações do Xou na Argentina. Luíse conta que deixou de ser Paquita porque interferia nos estudos. "Descobri que ser Paquita não é uma opção de vida". No momento a ex-Pituxa estuda uma proposta para participar da novela Amazônia, na Manchete. "Mas não sei se é que quero. Vida de artista é muito curta", diz.

Xuxa, a musa inspiradora das paquitas, considera as meninas "a minha família. São as pessoas com quem eu mais fico, a quem desejo o melhor. Quero passar para elas o que aprendi, quero vê-las sempre bem, com sucesso, bonitas e felizes. Fico orgulhosa quando as pessoas deliram ao vê-las entrar no palco e quando vejo que estão cada dia mais bonitas". Das antigas paquitas, ela revela, "sempre vejo Andréa Veiga - a Paquitona - a primeira que tive. Fico satisfeita com o sucesso dela. Ana Paula, a Catu, voltou a ser paquita, agora na Argentina. É uma das melhores que eu tenho", conclui.
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

Anônimo disse...

as paquitas eram muito bonitinhas. mas que preconceituosa era a xuxa, so contratava assistentes loiras...

Paquito disse...

http://www.4shared.com/document/ewl7qEyF/Sonho_de_Paquita.html
Veja o Livro...

Anônimo disse...

... Até legal o blog!
Alias o encontrei ao procurar pela tal tentativa de sequestro ocorrida em 1991; sou suspeito para falar - pois morava junto a tal e escutei a batida (estava me arrumando e do quarto ouvi tudo).
E à noite tendo que ir e voltar de um curso que fazia perto: até meio assustador.
A violência aumentou e como, nesses 25 anos _ só de pensar dá medo.
Resido há 21 nos no RS e aqui muitas vezes PIOR QUE MUITAS REGIÕES BRASILEIRAS.
Sobre um comentário de PAQUITAS LORAS: poderia sim ter de outras ETNIAS. Alias uma destas estudou num mesmo colégio que eu no início da década de 90.

Rodrigo movabu@outlook.com.br

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...