sábado, 1 de agosto de 2015

Álbum: Xuxa 5

Por: Leandro Franco

Xou da Xuxa 5! Seguindo a regra dos álbuns precedentes era assim que o disco lançado em 1º/08/1990  deveria ser chamado. Até então tínhamos uma constante: números ímpares representados pela numeração cardinal (um e três) e números pares pela ordinal (xegundo e quarto). Não continuou assim!


O álbum que completa 25 anos não foi Xou da Xuxa 5, nem 5º Xou da Xuxa. Foi só XUXA 5, o único álbum da era Xou da Xuxa a limar a expressão “Xou da”. Várias justificativas surgiram: não era foneticamente agradável, comercialmente não causava impacto e por aí vai... A explicação mais plausível talvez seja porque o disco foi lançado simultaneamente em 10 países e a palavra "Xou" talvez pudesse causar certo estranhamento em terras onde se habla espana. O fato é que não existe uma explicação oficial para a decisão de se chamar o álbum somente pelo nome da artista seguido da continuidade numérica.



Xuxa 5 marcou o início do desligamento do status de “disco com a trilha do programa de TV” para soar mais contemporâneo, mas sem perder a essência de disco da Xuxa. Influências da época se fizeram presentes: lambada, copa do mundo, globalização, cinema... tudo isso está lá em forma de músicas.



Origem
Como de regra, a apresentadora precisava lançar seu álbum anual e em julho de 1990 entrou em estúdio para gravar as canções. Foram aproximadamente 20 faixas, como a própria Xuxa conta em entrevista para o programa Vídeo Show. Dessas 20, apenas 13 foram escolhidas para a seleção final. Não se tem notícia de quais foram as canções deixadas de lado.




Lançamento
Envolvida com as gravações e a divulgação do filme Lua de Cristal e os primeiros passos na carreira internacional, Xuxa só pode se dedicar ao álbum já no segundo semestre, fazendo com que também se quebrasse outra regra nos lançamentos de seus discos. Normalmente os lançamentos ocorriam entre junho e julho, depois do Xuxa 5 – em agosto – as datas só foram passando pra frente: Xou da Xuxa Seis em setembro/91 e Xou da Xuxa Sete em outubro/92.



Os formatos
Xuxa 5 foi inicialmente editado em LP, K7 e CD e sua divulgação era feita através de propagandas nas revistinhas em quadrinhos da Editora Globo da época. O anúncio dividia a atenção com outro “xuxexo” da época: o VHS Lua de Cristal.


Um comercial para TV também foi veiculado. O enredo, um tanto non sense, mostrava o disco voando por vários lugares chamando a atenção das crianças; em certo momento o disco parece cair como um meteoro, as crianças vão até o local e de uma explosão surge o disco.
O que mais nos chama atenção é a forma da edição do comercial que lembra muito a primeira abertura do Xou da Xuxa




A versão em CD foi relançada em 3 ocasiões: 1995, 1997 e 2006.


Recentemente um quarto relançamento ocorreu, porém pertence ao Box Xou da Xuxa (2013). Nenhuma das edições em CD trouxe as letras.


Já a fita K7 teve um relançamento em 1996, por conta dos 10 anos de Xuxa na Globo.
O LP trazia como brinde um postal de Xuxa, seguindo o que já havia sido realizado no 4º Xou da Xuxa.


Vendagem
Certamente Xuxa fez os executivos da Som Livre, incluindo seu então presidente João Araújo, entoarem um sonoro “I Love You Xuxu” quando se deram conta que o álbum já tinha UM  MILHÃO de cópias vendidas ANTES de ser lançado, número alcançado só pelas encomendas dos revendedores. Isso que se pode chamar de pré-venda!


O Brasil enfrentava a pior crise econômicados últimos anos: houve o confisco da poupança, bancos tinham que limitar o acesso dos clientes por não terem dinheiro para saques. A situação estava crítica. Comprar artigos que não fossem de primeira necessidade poderia comprometer seriamente o orçamento de uma família.


Agora imaginem uma empresa que recebe uma encomenda dessas em pleno tempo de crise. Euforia total! O que justificaria o discurso de João Araújo quando foi entregar o disco quádruplo de platina: “esperamos bater a casa dos 3 milhões”. Dessa vez a máxima “sonhos sempre vem pra quem sonhar” não funcionou. As vendas passaram pouca coisa de um milhão, o que não quer dizer que seja ruim. Na época era o possível a se alcançar.

As músicas
Podemos imaginar a seleção das músicas numa conversa mais ou menos assim:
Tem música pra pular? Tem: Pinel por Você. Música da moda? Sim, duas – Tempero da Lambada e Vem Lambaxuxa. E inspirada na copa do Mundo? Claro... Copa na Floresta e Canja de Galinha. Ah, mas eu queria mesmo era a música do último filme da Xuxa... Lá está Lua de Cristal. E música educativa? Ô... tá na mão – Cobra, Chapéu e Palito e Leitura. Ah, mas só educativa? E a hora do recreio? Diversão garantida com Trem Fantasma... Não sou mais tão baixinho, queria algo mais adulto, sabe? É ou Não É fácil de responder essa? Tem música até pra dançar aquele TwistXuxa. A Xuxa sempre fala da natureza nos discos dela... e vai continuar falando – Boto Rosa... Puxa, assim não tem como não dizer: I Love you Xuxu!



A trilogia do Ê – o fim de uma era
Parece nome de filme de aventura da terra média, não? No capítulo final da “Trilogia do ÊXuxa 5 se faz protagonista.  Tudo começou com Ilariê (1988), seguiu por Tindolelê (1989) e fechou com Pinel por Você (1990). Viram? Um a cada ano, igual filme de trilogia mesmo, mas deixemos essa analogia de lado.


Pinel por Você com seu refrão - “olê, olê, olé, olê, olá / Eu quero ver essa galera balançar” -  coroou a obra de Cid Guerreiro e Dito nos discos da era Xou da Xuxa. Foram três hits seguidos e todos num só padrão: letra simples, melodia animada e refrões terminados em “ê”.

É ou Não É a música da Madonna?
Tem muito fã que coloca É ou Não É como uma versão de La Isla Bonita (1986) de Madonna. De fato os primeiros acordes apenas lembram o sucesso da cantora americana, mas nunca houve qualquer informação oficial sobre isso. Um ouvido mais atento percebe que as canções tomam rumos diferentes ao longo de sua evolução.






Os Clipes
Na época do lançamento somente três músicas tiveram clipes: Pinel Por Você, Boto Rosa e Lua de Cristal. O primeiro recebeu uma “honraria” antes só dada a dois outros clipes da carreira de Xuxa: Doce Mel e Turma da Xuxa. O Fantástico, programa da Rede Globo, exibiu com exclusividade um clipe da música, onde Xuxa tem uma espécie de caixa-mágica e que ao ser aberta a alegria e diversão tomam conta de tudo, crianças dançam pela floresta e por aí vai. Algo como a Caixa de Pandora ao contrário.


A segunda faixa a ganhar o registro visual foi Boto Rosa. Feito para exibição dentro do Xou da Xuxa, no clipe temos Xuxa num rio (alusão ao Rio Negro) enquanto canta a faixa ao entardecer. Sem dúvida, um dos clipes em que Xuxa está no auge de sua beleza.



No Especial de Natal de 1990 foi a vez de Lua de Cristal ganhar seu primeiro clipe. As imagens de Xuxa sendo fotografada – pelas Paquitas – com seus lenços esvoaçantes se tornaram icônicas e viraram até abertura do Show de Xuxa.



Uma segunda versão do clipe foi exibida no dia seguinte, no especial de natal do Xou da Xuxa.


Mais de uma década depois, Xuxa revisitou as faixas do disco ao gravar clipes para o programa Xuxa no Mundo da Imaginação. As escolhidas foram: Pinel por Você, Boto Rosa, Cobra Chapéu e Palito, Copa na Floresta, Leitura e Trem Fantasma.

O ensaio da capa
O fotógrafo Paulo Rocha fez as fotos de Xuxa na praia num entardecer, a ideia era aproveitar o sol das 16/17h para um visual mais acolhedor.


Xuxa contou em entrevista ao programa Amaury Jr. que o tumulto criado em seu redor era tamanho que as pessoas aplaudiam cada click do fotógrafo Paulo Rocha.



Esse é um dos ensaios que teve mais fotos divulgadas na imprensa. Infelizmente nenhuma em alta qualidade. Curiosamente foi uma foto desse ensaio que foi escolhida pela revista Time para anunciar Xuxa como nossa Golden Girl.


Em seu livro Xuxa: The Mega-Marketing of Gender, Race, and Modernity, a autora Amelia Simpson dedica praticamente 2 páginas a uma análise da capa do álbum. Em meio à colocações estapafúrdias (o que não é raro no livro inteiro), ela dá uma trégua: “a figura transmite uma atitude brincalhona e despreocupada, como se Xuxa tivesse se atirado ao chão, depois de uma folia pela praia”.



A escolha das fotos foi feita a partir de uma votação no programa Xou da Xuxa, algo único na carreira de Xuxa. No programa de lançamento do álbum ela exibe a capa orgulhosa do resultado e nos conta essa história.




Turnê
Para divulgação do disco foi realizada uma turnê que teve início em 31/08/1990, na casa de shows Olympia, em São Paulo e passou por diversas cidades em todo o Brasil.



O Paraguai também pôde conferir o espetáculo, lá a setlist sofreu a inclusão de algumas músicas do 1º álbum em espanhol.


O início do show se dava com a música Copa da Floresta – sem participação de Xuxa e Paquitas –com pessoas fantasiadas como os bichos citados na letra. Só depois é que a nave se abria e surgia Xuxa cantando Lua de Cristal. que era cantada duas vezes: no início e no encerramento.


Pelas escassas gravações já divulgadas do show, somente duas músicas não foram apresentadas: Twistxuxa e Vem Lambaxuxa - tanto que essas só passaram a ser performadas no programa em 1991 e sem coreografia, o que leva a crer que elas realmente não fizeram parte do setlist. Além das músicas do Xuxa 5, outros sucessos de Xuxa eram apresentados, como Ilariê.




25 Anos
Xuxa 5 pode não ter sido um estrondo de vendas, mas foi um sucesso. A produção de Sullivan e Massadas foi certeira e não há um só “baixinho” dos anos 90 que não saiba cantar pelo menos uma música do álbum, mesmo que não goste da Xuxa. Seus 25 anos vêm reafirmar sua importância na carreira de Xuxa e no coração de todos aqueles que um dia já pularam freneticamente da esquerda para a direita e vice-versa pra ficar Pinel Por Você ou que cantaram Lua de Cristal como se não houvesse amanhã.

I Love You, Xuxu. Je T’aime, mon amour!



Comentários
4 Comentários

4 comentários:

Angelus Magno disse...

Sem dúvida um dos melhores discos da Rainha. Até hoje escuto É ou não é, minha canção favorita do álbum. Bem que poderia ser mais trabalhada.

µЙ∂M™ disse...

Seu blog é maravilhoso estou sempre acompanhando

µЙ∂M™ disse...

Adorei a matéria

Lilia disse...

Ai, sou fã... mas me poupem de "É ou Não É" - quando ela canta "é ou não é, dose pra 'lião'", quero me enfiar num buraco. Disco tem que ter pronúncia e português correto.

E viu, Leandro, você leu o livro da Amelia Simpson?

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...