domingo, 4 de outubro de 2015

Xuxa Só Para Baixinhos - 15 Anos

 “Xuxa vai lançar um disco só com canções para os pequenos com idade entre 1 ano e meio e cinco anos”.



O trecho acima foi extraído da matéria publicada no Jornal Extra, em 05/07/2000, e faz a primeira menção ao projeto Xuxa Só Para Baixinhos. São 15 anos de um ousado - e certeiro - passo na carreira fonográfica de Xuxa. Depois de 15 anos, a apresentadora resolveu sair da zona de conforto e encarar um novo desafio: entreter os baixinhos “bem baixinhos”. Para isso ela precisou impor sua vontade como nunca. Imagine só: Xuxa abrir mão de seus discos tradicionais pra se aventurar num estilo de entretenimento audiovisual praticamente desconhecido no Brasil? O projeto nasceu desacreditado por muita gente, principalmente pela gravadora Som Livre.


“Eu amo trabalhar para os pequenininhos e eu achei que com o tempo não teria mais espaço pra eles. Eu estava me sentindo triste, infeliz, ‘tava’ faltando algo e então resolvi fazer o projeto. No princípio foi uma briga muito feia, ouvi coisas bastante desagradáveis. Ouvi muito e eu tive que pagar pra fazer o projeto, mas a melhor resposta foi quando ouvi todo mundo cantando. Esse projeto é meu, é do meu coração. Eu pensava que já tinha passado pra eles (a geração de crianças dos anos 2000) e quando vejo pessoas me dizendo ‘meu filho te adora’, eu vejo que não.”  - conta Xuxa extremamente emocionada ao receber os discos de platina pelas vendas superiores a um milhão de cópias no dia 11/11/2001, no programa Domingão do Faustão, da Rede Globo.





A pequena musa inspiradora
Com o nascimento de Sasha, a percepção de Xuxa para o mercado fonográfico brasileiro dos pequenininhos ficou mais aguçada. Quase não havia produtos e o que havia não era bem feito. Ao observar a filha dançando em frente à TV enquanto assistia a uma das inúmeras fitas de clipes musicais que comprara em viagens ao exterior, Xuxa teve a certeza que era isso que faltava aqui: música com caráter educativo. Não que a apresentadora tivesse “deseducado” alguma criança com seus trabalhos anteriores; pelo contrário, Xuxa sempre se preocupou em deixar boas mensagens em sua obra. A linguagem é que devia ser diferente, a forma de chegar aos pequenos... e é aí que entra a parte visual.



Os clipes
A nova geração de baixinhos ganhou aquilo que mais foi desejado pela geração anterior. Qual fã de Xuxa dos anos 80 não sonhou em ter uma fita com todos os clipes do álbum correspondente? Clipes musicais eram raros e geralmente só viam a “luz do dia” nas noites de Natal. O Só Para Baixinhos já veio assim: 15 clipes prontinhos com direito a muitas cores e coreografias. Nascia o primeiro Kit CD+VHS da Xuxa.



O XSPB é mais importante no formato VHS do que no formato de CD, pois as músicas funcionam com as coreografias; sozinhas podem soar até mesmo sem sentido.
É um álbum audiovisual. E pensar que hoje em dia tem cantora pop achando que revolucionou o mundo da música por conta de um álbum audiovisual... #XuxaDidItFirst.


A matéria prima
Os clipes do XSPB, exceto Borboleta, foram inspirados em vídeos americanos (Dinossauro Barney) a australianos (The Wiggles). Se buscarmos qualquer uma das faixas pelo nome original veremos que a concepção dos vídeos é a mesma: dos movimentos  ao posicionamento de câmera e cenário. Não era hora de se arriscar, era a primeira investida nesse nicho e querer alterar o que já era certeiro seria pôr em risco o sucesso do projeto, que há anos já funcionava bem no exterior. A evolução do projeto com a linguagem de Xuxa foi acontecendo natural e gradativamente ao longo das próximas edições.



A divulgação
Uma das maiores campanhas de divulgação de um álbum da carreira de Xuxa, talvez a maior. Tudo que é de direito a um grande lançamento o XSPB teve:

1. Lançamento no programa de TV: Xuxa Park Especial de Dia das Crianças em 07/10/2000


2. Propaganda impressa nas principais revistas de circulação nacional



3. Comercial de TV


4. Promoções com direito a farta distribuição de prêmios com duração de semanas.


5. Capas de revista sobre o projeto



E deu certo! O kit chegou a esgotar em algumas lojas já nas primeiras semanas e olha que na época mal existiam redes sociais, imaginem se fosse hoje com facebook, twiter e instagram...

Notinha publicada no jornal O Dia em 13/10/2000
Curiosidades
Xuxa só para Baixinhos, Proibido para Maiores de 6 anos” seria o nome do projeto segundo o jornal O DIA publicou em 18.9.2000


A primeira vez que Xuxa cantou uma música do projeto foi no Xuxa Park de Olimpíadas. Cinco Patinhos, ou simplesmente “Patinhos” foi a escolhida.


Cinco Patinhos pode ser considerada o Ilariê dos XSPB, a faixa já é imediatamente associada à Xuxa, todo mundo sabe a coreografia e já foi inspiração pra muita paródia: de Marcos Mion ao programa Tá no Ar - A TV na TV.

Cena do programa Tá No Ar, que fez paródia do clipe "5 Patinhos"

O sucesso da faixa foi tanto que ela voltou no XSPB 2 com novo clipe.



O macacão usado por Xuxa no clipe Quack Quack foi um presente do grupo You Can Dance em 1992, ainda no Paradão da Xuxa. A peça foi utilizada ainda, anos depois,  na gravação do clipe Xuxalelê para o programa Xuxa no Mundo da Imaginação.


Foi lançada pela Multibrink uma boneca com o figurino da boneca futurista do vídeo e hoje é um dos itens mais raros da Xuxa.


A boneca vinha com bonequinhas das meninas X, Y e Z como “acessórios”.


As personagens X, Y e Z, as meninas de roupas coloridas, não tiveram força suficiente para se manter e sua participação ficou restrita a esse único volume.


Teddy, o polvo, ao contrário das meninas X, Y e Z, veio pra ficar e ganhou novas canções em outras edições do projeto.


Pra variar, Xuxa lançou moda – entre os artistas – uma infinidade de kits multimídia (VHS+CD) tomou conta das prateleiras nos anos seguintes: Gugu, Eliana, Trem da Alegria, Sítio do Picapau Amarelo, Sandy e Jr. e até o Louro José quiseram sua fatia do bolo. Todos no mesmo padrão de lançamento, não conteúdo.



Borboleta, a última faixa do projeto,  é a única faixa de origem nacional, foi composta por Renata Arruda, Mariana Richards e Chico Barbosa. Trata-se de uma homenagem emocionante à pequena Bárbara, afilhada de Xuxa, que morreu de meningite aos 4 anos, em dezembro de 1997. Xuxa teve que repetir a gravação do clipe várias vezes, por conta da carga emocional.


O encarte do CD é como uma cartinha de Xuxa para seus baixinhos, direto da cidade da Imaginação, que anos mais tarde viraria o Mundo da Imaginação.


O rótulo do CD é inspirado na abertura do Xuxa Park de 1999: Xuxa aparece em trajes futuristas, já de cabelos curtos e acompanhada de Xuxinha.


A versão em DVD – o primeiro DVD da carreira de Xuxa – só foi lançada em 2001. Em 2002 a versão CD + VHS foi relançada numa embalagem um pouco diferente da original e agora seguia o padrão do XSPB 3. Nunca houve uma versão CD+DVD, pois essas só começaram a ser vendidas a partir do volume 6.  O CD passou a ser vendido de forma avulsa em 2005.


Poucas fotos do ensaio da capa foram divulgadas até hoje.


Aliás, o macacão que Xuxa vestiu no clipe "Teddy, o Polvo", é o mesmo do ensaio de capa.


Todas as versões para o português foram feitas pela compositora Vanessa Alves, que na edição seguinte se tornou a Ratinha Rosa. No mesmo Domingão do Faustão em que recebe o disco de platina duplo e conta a história do projeto, Xuxa faz questão de mostrar como Vanessa a apoiou e divide com ela a o prêmio recebido.


Xuxa Só Para Baixinhos já está em sua 13ª edição, que, apesar de pronta, ainda não foi lançada em razão da mudança de gravadora. São 13 edições de um sonho de Xuxa, 13 edições do “projeto do coração”, como ela mesmo nomeou. Ela correu atrás, brigou pra que acontecesse, acreditou no seu sonho. Parece que o XSPB é mais que uma fase na carreira musical de Xuxa, ele é a concretização do que ela sempre cantou na “fase” anterior: “esteja o meu destino onde estiver / eu vou buscar a sorte e ser feliz / (...) e que não me faltem forças pra lutar”


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...