sexta-feira, 29 de abril de 2016

Revista da Xuxa: Edições 37, 38 e 39

Por: Leandro Franco

Chegamos a quase 40 edições da Revista da Xuxa! Literalmente muita história pra contar.  Cada vez que montamos um post como esse, ficamos pensando em como seria a rotina de criação e montagem do gibi... Um processo longo e trabalhoso com o objetivo de entreter e, ao mesmo tempo, reforçar a presença de Xuxa no imaginário infantil.

Na TV é comum vermos matérias que contam os bastidores dos programas, o famoso “por trás das câmeras” e em um gibi? Como funciona todo esse processo? Pensando nisso, a própria Revista da Xuxa decidiu mostrar como era feita a revistinha. Ficaram curiosos? Daqui a pouco falaremos disso; antes façam o download das edições de hoje e vamos lá.




Edição 37

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 37


Pela primeira vez a capa do gibi trouxe uma referência internacional. Aquilo que à primeira vista pode parecer apenas o Praga brincando de peão de boiadeiro em seu casco vai um pouco mais além... Reparem na roupa de Xuxa, ela tem um figurino tipicamente mexicano, com direito ao indispensável “sombrero”, além do cacto compondo a cena. Podemos concluir que a referência da capa é a Charreada, esporte nacional do México, certo?


Na história de abertura, Xuxa tem que enfrentar o Baixo Astral. Opa! Calma, não é o vilão do filme de 1988; é aquele sentimento que às vezes teimamos em deixar tomar conta de nossos pensamentos e estragamos nosso dia (e dos outros) na maioria das vezes. A solução de Xuxa é infalível:



Ah, alguém aí se lembrou dos tempos de Clube da Criança (rede Manchete) ou do primeiro ano do Xou da Xuxa quando viu Xuxa com a junção “xuquinhas + faixa”?


Em baixo astral também estava o Dengue em mais uma de suas crises de auto-estima. Mais uma vez o mosquitão se lamentava por ser feio. História requentada lá da edição 26 (fevereiro 1991); até o início da história é bastante parecido, só que dessa vez sobrou só pro Moderninho, coitado...


Pituxa ganhou sua primeira história solo e foi uma das grandes: DOZE páginas! A maior do gibi naquele mês de janeiro de 1992. Uma estreia e tanto, não?


Fechando o gibi, Xuxa volta com suas aventuras espaciais. Dessa vez um mecânico meio problemático vai consertar a Nave Rosa. Olho nesse mecânico... não parece ser esse o ofício dele.



No Correio da Xuxa, ficamos aterrorizados por saber que um extintor de incêndio caiu no pé de uma menina e quebrou o dedo dela. Olha só! Cadê a segurança desse mundo?  Sim, a menina escreveu pra contar isso, imaginem o que ela não faz agora que tem facebook, twiter, instagram  para a pessoa contar tudo o que sempre quis, mas não tinha revistinha suficiente pra publicar.



Outra baixinha ficou indignada porque fez CINCO modelitos pra promoção do desenho e nenhum foi classificado! Ela pergunta: “será que meus desenhos estavam tão ruins assim?”, Xuxa tentou acalmar a menina explicando que eles não estavam ruins, só que tinha uns 3655 melhores. Simples, né?





Edição 38

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 38

Mais uma daquelas edições com Xuxa em poucas aparições. Difícil acostumar com algo que se chama Revista da Xuxa, onde a própria não aparece direito. Felizmente, são raras essas edições.
O figurino rosa e preto de Xuxa aparece na capa pela segunda e última vez. A primeira vez foi na edição 16.


Começamos com a disputa de duas criaturas meio sombrias pela atenção de Xuxa. Dráculo e Múmio estavam à procura de... 

Em outras palavras: “Moça bela, recatada e do lar”

E alguém pode explicar esse Múmio com corpo de surfista? Depois de ver a conservação do rapaz de mil anos, até que dá pra se repensar quando alguém quer chamar o outro de múmia...



Praga arrumou emprego no setor de informações da Rodoviária do Rio de Janeiro. Será que ele também tem informações sobre um determinado figurante que mês passado era um mecânico que vivia no espaço? Muito suspeito...








Outra Paquita ganhou sua história-solo, mas há controvérsias. Embora esteja escrito “Xiquita”, a atenção dos coloristas – que a colocaram de uniforme vermelho – e a falta de criatividade dos desenhistas a transformaram na Pituxa da edição passada. Custava prestar atenção na cor do uniforme e mudar o cabelo nem que fosse um pouquinho? Comparem os quadrinhos.





“Bichinhos de Estimação” entra pra lista de histórias mais sérias da Revista da Xuxa. A morte dos animais de estimação foi abordada de maneira delicada. Praguinha se desespera ao ver que ele mesmo causou a morte de seu peixinho. Tema difícil para uma revista infantil, ,as que foi muito bem colocado, principalmente pela forma como retrataram o “céu dos animais”.


Nas Dicas Pros Baixinhos pudemos descobrir como é feito um gibi. Provavelmente esta foi a edição mais interessante das Dicas. De forma rápida, a editora Gisleine Carvalho nos contou todo o processo de criação e ainda tivemos a chance de ver o Model Sheet da Xuxa, uma espécie de modelo para que os desenhistas mantenham o padrão do personagem ao desenhá-lo em diferentes posições. 



Praga e Moderninho terminaram a explicação da criação de um jeito especial: em forma de quadrinhos, onde acompanhamos desde o rascunho até a chegada ao consumidor final. Deixou o gostinho de ‘quero mais”.


No Correio da Xuxa, uma garota usou a letra de Viver (Xou da Xuxa 3, 1988) pra encerrar sua cartinha. Aliás, a menina começou filosofando que queria um mundo onde só existissem Xuxas, Paquitas, Vovuxas e Pragas. Olha, se só existissem Xuxas, Paquitas e Vovuxas, você também não existiria, já pensou nisso? “Já é tempo de refletir...” Opa, isso pega?



E não é que quiseram arrumar até casamento pra Xuxa? Uma baixinha, provavelmente ainda empolgada com o filme Lua de Cristal (1990), queria uma história em Xuxa e sérgio Mallandro se casassem e tivessem UM FILHO!





Edição 39


Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 39

Já há algumas edições a presença de histórias onde Moderninho fantasia sobre uma ação rotineira do dia-a-dia transformando-a numa aventura qualquer vem aumentando. A edição 39 coloca Xuxa nesse “barco” e ela começa a demonstrar sinais da convivência.


Xuxa canta em "Leitura" (Xuxa 5, 1990): “é bom voaaar nas asas da imaginação”, mas parece que as asas da imaginação dos roteiristas estavam quebradas... já não lemos na edição 15 uma história onde o Praga cisma em querer voar pelas nuvens como o Dengue? Outra vez isso?


Nas nuvens estava o elenco feminino do gibi. Numa história de paixonites platônicas, pudemos rever personagens que estavam sumidas há um bom tempo: Sandrão, Martinha e Fessora reaparecem mas só têm olhos para seus “musos”. E Xuxa? Como ela vai reagir a essa onde de amor?



Depois de ver o Praga tentar encarnar uma tartaruga ninja – sem sucesso – Xuxa tenta arrumar um emprego pra ele (pelo visto o serviço lá na Rodoviária não deu certo) – sem sucesso também.


Daí a gente se lembra da menina que escreveu pedindo um mundo com mais Pragas... Misericórdia!
Só que o Praga também sabe agradar... Ok, só um no mundo esta de bom tamanho.


No Correio da Xuxa, uma resposta da loira vem como uma luva para o ano de 2016, ano em que vamos comemorar os 30 anos do Xou da Xuxa. Nas palavras da Xuxa: “é importante a gente sempre manter viva na memória a nossa história”... Falando nisso, já viram nosso teaser das comemorações do blog?



Cansados das princesas de sempre? Cinderela, Branca de Neve, Aurora, Bela? Uma garota que escreveu pro Correio da Xuxa também. A princesa do momento é a Xolange, gente. Já queremos a história da Xolange e o princípe Xurandir como filme das férias! Sérgio Mallandro vai ser o príncipe de novo? Xolangeeeeeeeee ( #LuadeCristal2.0)




Falando em filme, no nosso próximo post mostraremos uma capa cinematográfica da revistinha, uma Xuxa das cavernas e mais uma aparição suspeita do cabeleireiro/mecânico/transeunte misterioso e agora onipresente nos gibis da loira? Semana que vem, nas edições 40,41 e 42!!!


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...