terça-feira, 31 de maio de 2016

Programa Xuxa Meneghel #41 - 30/05/2016

Doce, doce, doce / A vida é um doce / Vida é mel

E quando o mel é bom,a abelha sempre volta... Pois é, com esses versos que lançam a teoria de que as abelhas não produzem o mel e sim o buscam nas flores, a dupla Simone e Simaria fizeram mais que contrariar a função da abelhas: elas conquistaram seu lugar na cenário da música sertaneja atual.


A 41ª edição do Xuxa Meneghel foi toda dedicada à dupla que, como quase toda dupla sertaneja, teve infância difícil e correu atrás do sonho de ter fama e reconhecimento.


As meninas baianas têm um jeito mais debochado e se divertiram com o "Jogo das Bocas". Simaria chegou a mostrar sua coreografia exclusiva da Dança do Créu, mas não foram só momentos divertidos que conduziram a entrevista...

Num momento "direto do túnel do tempo" descobrimos que as garotas já tinham aparecido no Planeta Xuxa Especial de São João de 2001, no tempo que eram backing vocals do cantor Frank Aguiar. Ao comentarem como foi o primeiro encontro com a Rainha, deixaram claro que também participaram das gravações do Planeta Xuxa Verão.

Além disso, o momento "caixa-preta" ficou por conta do depoimento emocionado dos familiares das duas irmãs contando sobre as dificuldades que elas tiveram na infância e pela participação surpresa de Dona Ailza no palco, avó das irmãs, que não sei viam há mais de um ano. Emocionante e ao mesmo tempo divertido, pois D. Ailza, além de encantar, é uma figura.


Xuxa mais uma vez resolveu acompanhar a atração junto com seus fãs e, da metade pro final do programa, abriu uma transmissão ao vivo em sua página do Facebook, tornando a experiência muito mais divertida. Nossa Rainha estava bastante empolgada com a atração e adiantando algumas coisas que ainda iam acontecer. No intervalo, ela ainda respondeu a algumas perguntas dos fãs daquele JEITINHO que a gente mais gosta.


Voltando pro palco, a dupla Simone e Simaria se despediu e deu lugar a participação do youtuber Whindersson, muito famoso pelas suas paródias de músicas de grandes sucessos. A namorada do rapaz também marcou presença.


E pra encerrar, tivemos uma das edições do "Toc Toc" mais emocionantes até hoje. Pela primeira vez Xuxa mostrou em seu programa uma das franquias da Casa X, para fazer uma festa da fã ganhadora da promoção promovida no começo do ano. Além da participação surpresa da loira, fomos brindados com nossa Rainha cantando a versão original de Lua de Cristal.



O programa realmente parece ter agradado: a 41ª edição marcou 8 pontos, a maior média desse ano, e atingiu a vice-liderança. A fórmula de entrevistas realizadas no palco com apenas uma atração parece ter dado certo, visto que programas que seguiram o mesmo formato, como o que contou com a participação de Joelma, também atingiram bons resultados. Quadros como o "Na Lata" parecem mesmo ter ficado de lado (e pode permanecer assim).


domingo, 29 de maio de 2016

Xou da Xuxa 30 anos - 4ª semana

A 4ª semana do Drops Xou da Xuxa 30 anos encerra o primeiro mês das comemorações, que ainda vão se estender por todo o mês de junho. Vamos rever e comentar cada um dos vídeos:


O depoimento da semana foi da ex-Paquita Roberta Cipriani, a Xiquitita Surfista. Roberta foi a paquita que ficou mais tempo trabalhando com a Rainha: de maio de 1987 a abril de 1995, praticamente 8 anos! No vídeo, Roberta contou sobre seu problema de dicção que atrapalhou inclusive de gravar as músicas do primeiro disco, mas que com o tempo foi superado. Fica aqui o nosso agradecimento à Roberta pelo lindo depoimento e por nos atender com tanta atenção e carinho!


Na terça, relembramos a personagem Vovuxa através de uma história que ela jamais contou no programa. A nossa contadora de histórias tinha seu quadro exibido geralmente às sextas-feiras nos primeiros anos do programa, sempre passando lições de comportamento para os baixinhos através de seus contos. Fizemos um pouco diferente e recontamos de maneira bem humorada um pouco da história de um dos brinquedos mais queridos na época do Xou: a boneca da Xuxa, lançada pela Mimo no início de 1987.


E falando em boneca da Mimo, o vídeo de quarta-feira mostrou a formação original da Turma da Xuxa brincando de dança das cadeiras, algo bem atípico e que se repetiu poucas vezes. Apesar de não parecer ensaiado, seria muito estranho ver outra pessoa ganhando a brincadeira se não fosse a Xuxa, não é mesmo? A brincadeira aconteceu no Xou da Xuxa especial que foi exibido dentro do Criança Esperança, no final de 1986. Naquela época o evento ocupava toda a programação da Globo durante um dia inteiro e, por conta disso, o programa foi exibido num domingo. Mas o que tudo isso tem a ver com a boneca? Reparem no brinquedo que está ao lado das cadeiras para ser dado às crianças.


São bonecas da Mônica, também da marca Mimo. Na época, a da Xuxa ainda não havia sido lançada. Xuxa tinha poucos produtos licenciados nesses primeiros meses de programa.


Na quinta relembramos a ginástica matinal que Xuxa fazia toda semana, geralmente no 2º bloco do programa, colocando todo mundo para se mexer. Além da colagem com vários momentos do quadro, identificamos cada uma das músicas internacionais executadas durante a "malhaxão" dos baixinhos. Muitas delas se tornaram marcantes para os fãs por serem habituais no quadro, que até 1988 era exibido aos sábados, posteriormente transferido para as segundas-feiras, já que o Paradão dos Baixinhos passou fechar a semana.


Sexta-feira contamos com o entusiasmo da Rainha quando uma garota acertou a cor da roupa que ela usou no 1º programa Xou da Xuxa. Na ocasião, o programa estava completando 3 anos e algumas perguntas sobre a atração foram feitas paras as crianças que estavam no palco. Ao mesmo tempo que tudo ainda era muito recente, o programa já tinha se transformado - e melhorado - bastante depois três anos. E pelo jeito, nossa Rainha estava muuuuito feliz com o resultado...


E sábado foi dia de relembrar mais uma atração marcante do programa: a dupla Luan & Vanessa cantando seu único sucesso Quatro Semanas de Amor, em junho de 1990.



Apesar da dupla ter durado apenas aquele ano, o sucesso foi tanto que pode ser considerado uma das atrações mais marcantes que passaram pelo Xou. E como lembrar de Luan e Vanessa sem lembrar de Luana e Vanesso? Xuxa e Sergio Mallandro fizeram cosplay da dupla cantando o hit numa rotação totalmente alterada, que está no final do vídeo. Um dos momentos mais hilários do programa.


A nossa 5ª semana marcará a metade das nossas comemorações. Ainda tem muita coisa vindo por aí para relembrar um pouco de todos os bons momentos que o Xou da Xuxa rendeu nos quase 7 anos de exibição. Teremos o depoimento de uma cantora que fez tanto sucesso na época que até viajou com Xuxa em sua turnê, além de um concurso de fantasias bem divertido... Não deixe de conferir os vídeos aqui no blog ou em nossa página no Facebook.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Revista da Xuxa: Edições 49, 50 e 51

Por: Leandro Franco

Na nossa linha do tempo, hoje chegamos ao ano de 1993. Ano difícil para os admiradores de Xuxa, pelo menos os brasileiros. Com o fim do Xou da Xuxa,  passamos quatro meses sem Xuxa na TV (embora até fevereiro o Xou tenha sido reprisado). Em maio as coisas melhoraram e estreou o programa dominical XUXA. O programa não deu muito certo, saiu do ar em outubro; não tivemos disco de inéditas – apenas uma compilação de faixas descartadas de discos e especiais anteriores; somado a isso Xuxa teve problemas de saúde e encerrou seu programa na Argentina e nos EUA. E a revistinha em quadrinhos como ficou no meio desses acontecimentos? Vamos juntos ver como foi o reflexo no único item relacionado à Xuxa que se manteve firme durante todo o ano. Abordaremos as edições 49, 50 e 51 da Revista da Xuxa.



Edição 49
A vontade de inovar veio com tudo e a edição publicada em janeiro de 1993 deixou de lado a fixação pelos antigos figurinos da loira e já apresentou logo três novos visuais: todos sem xuquinhas. Começando pela capa “Xuxa Pintora” onde temos a loira pregando uma peça no Xuxo. Só assim pro cãozinho n.1 da loira tomar um banho feliz da vida! Olho nessa capa!

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 49

Duas coisas dela vão se repetir nos meses seguintes. Por hora, vamos só relembrar Xuxo e seu “amor” pelo banho...



O outro novo visual de Xuxa aparece na história de abertura. A loira conhece o Senhor Stanlóvsky, um artista dos velhos tempos que não conseguiu se adaptar à chegada da TV e viu seu sucesso se perder frente à modernidade. Na realidade a história serve de alerta para tudo aquilo que deixamos de ver ou aproveitar simplesmente porque não está na timeline da nossa rede social ou no Top 10 das mais tocadas.




Na mesma história tivemos duas participações especiais: o Recruta Zero e o sargento Tainha em uma das TVs de uma vitrine. O gibi do personagem, que nada tem a ver com o universo dos quadrinhos da Xuxa, foi editado pela Editora Globo somente até agosto de 1992. Pelo jeito ele estava precisando de emprego, até porque essa não foi a única aparição, aguardem...



Xuxa no Velho Oeste? Sim, temos também! Conheçam Xumary, a bela moça dona do “saloon”, ou melhor, Xaloon, de Pacific City. Quem ficará com o coração da moça: Mosquito Kid ou Baixinho Praga? Faça o download da Revista e descubra você mesmo.


Falando em Dengue e Praga, essa dupla roubou a cena nessa edição. Mais da metade das histórias foram dedicadas a eles.



Fechando o gibi, o terceiro novo visual de Xuxa. Na história “Que Fria” Xuxa passa aperto sendo seguida por uma pessoa misteriosa. Seria um ladrão? Ela precisou até chamar a polícia! 


Falando em gente misteriosa, o tal Wander apareceu DE NOVO e trouxe a família a tiracolo.


O Correio da Xuxa, excepcionalmente nessa edição, devia se chamar Classificados da Xuxa. Uma leitora usou o espaço para anunciar as revistas que queria vender. Inacreditável! E tem mais: além de gibis da Xuxa, ela estava vendendo Mônica, Cebolinha, Chaves & Chapolim. Se a moda pega...


Edição 50

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 50

Começamos com Xuxa indo para o Himalaia em busca do lendário Homem das Neves, o Yeti. Praga, Moderninho e Samuca ajudam a loira na aventura.

Se existe ou não o Homem das Neves não sabemos, mas sabemos que a equipe de coloristas tava com medo do bicho, tanto que se atrapalhou toda. Quadrinho sim, quadrinho não colocavam Xuxa com calça por baixo do short ou não. Claro que devia estar com a calça, lugar cheio de neve... ela iria pra lá de short somente?


Lembram do que falamos da capa da edição 49? Olha aí a roupa de novo! Não deixa dúvidas que existe uma calça por baixo do short, SIM!

Conhecemos o temido Yeti e também a temida Dona Cecília, a vizinha mal humorada da Xuxa, dona da Tuchi, a nova paixão da Xuxo. Pelo visto ele já esqueceu a Xinha...


A equipe de coloristas permanecia atrapalhada mesmo com o homem das neves deixado lá no Himalaia. Em “É Muita Folga” Xuxa aparece com botas que mudam de cor.

 ColorXu, a única bota que muda de cor ao longo do dia!
Fica a dica, Grendene!


Dica boa foi mesmo a que Xuxa deu para uma baixinha, Camila, que estava decidida a fugir da casa dos pais. Xuxa mostrou que as coisas não são tão simples como parecem. Fez lembrar parte da letra de Garoto Problema (Xou da Xuxa, 1986) #XoudaXuxa30anos

"Fugiu de casa no primeiro circular que passou..."


Edição 51

Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 51

Lá no nosso post sobre a edição 13 pedimos que guardassem na memória um figurino que colocaram em Xuxa na história em que tentam transformar o Di Junior num astro do Rock, estão lembrados? Agora, 38 edições depois, explicamos o motivo: a roupa colocada “por engano” na Xuxa acabou virando a capa! Quem diria...  Xuxa Rock Star!



Em “Coisas Sobrenaturais”, Xuxa tem que lidar com “fantasmas” no seu quarto. Historinha simples, mas bem desenvolvida . Não dissemos que assuntos sobrenaturais funcionam bem no gibi?


Sobrenatural é o esforço que Xuxa tem que fazer pra dar um banho no Xuxo. O cachorro foge da água, igual vampiro foge da cruz. Não... Espera! Como assim? Republicaram a capa da edição 40 com ele tomando banho feliz? Não, ele fez isso mesmo! “É o amooooor que mexe com minha cabeça e me deixa assiiiim”.

A cadelinha da vez é a do Wander...  tava demorando.


Enquanto isso, Sandrão reapareceu! Lembram da cartinha pedindo mais histórias com ela lá na edição  47? Deu certo. O que não dá certo é levar a Sandrão pra fazer compras com você. Xuxa aprendeu isso a duras penas.


Olha um passatempo “oculto” na historinha! Conseguem identificar as silhuetas dos personagens presentes da tal festa que Xuxa e Sandrão foram?

Da direita para esquerda (de quem lê): Dengue, Samuca, Vovuxa,
uma Paquita qualquer, Tupinixim (ao fundo).

Lembram da aparição do Recruta Zero na edição 49? Pois é, ele fez figuração mais uma vez, enquanto Moderninho assistia TV. É, o ano de 1993 não estava sendo muito fácil para os personagens dos quadrinhos, pois além do recruta, a Editora Globo descontinuou a publicação de vários outros personagens como Sergio Mallandro, Chaves & Chapolin, Turma do Arrepio...


“Eu tenho um papagaio, cachorro, periquito e tenho um bichinho que só gosta de pular”... Lembram-se desses versos? Eles dizem muito da última história dessa edição. Calma, não é a Joana! É o Moderninho mesmo que apronta mais uma das suas e acaba ficando pequenininho como um pulga. Óbvio que Xuxa é que tem correr atrás para resolver a situação...



Falando em resolver a situação, Xuxa precisava mesmo era dar um fim na pedição de coisas no correio da Xuxa. No começam eram os Paquitos, depois vieram os pôsteres, depois a Madame Caxuxá, agora querem uma revista só de passatempos... E Xuxa sempre dizendo que os passatempos estavam nos Almanaques, mas esqueceram de avisá-la que o último Almanaque foi publicado em Novembro de 1992.


Pelo visto situar-se no tempo não era muito comum nesse universo da Revista Xuxa. Nessa mesma edição, uma leitora contou toda orgulhosa: “Já tenho o seu disco Xou da Xuxa e gostei muito da música Marquei um X”. Xuxa respondeu que estava feliz pela garota estar gostando do “NOVO disco”. Novo? Mas já tinha mais de 6 meses que tinha saído, Xu...



Fechamos mais um post das revistinhas e já vamos começar a preparação para o próximo, quando falaremos das edições 52, 53 e 54. Queremos deixar tudo bem bonito para vocês. A Xuxa até já começou a pensar em qual penteado vai usar...


quarta-feira, 25 de maio de 2016

Programa Xuxa Meneghel #40 - 25/05/2016

O 40º Programa Xuxa Meneghel teve como pauta uma outra atração da emissora: todo o elenco do programa Legendários, programa apresentado por Marcos Mion, esteve presente no palco. A interação entre os programas rendeu até mesmo uma espécie de "crossover": "Tá na Cara", brincadeira cativa da atração de Mion, foi apresentada na atração da loira e a própria Xuxa foi a participante.


Outra brincadeira realizada no palco foi a nova "Na Pegada do Bambolê", que além do elenco do programa de Mion, contou com Nany People, que não dava as caras no programa já há algumas edições. A brincadeira foi bem divertida e remeteu aos tempos de Xou da Xuxa. Pena que nessas horas não recorram à discografia da loira como música de fundo. Xuxa tem uma música chamada Bambolê (2007)! Ficaria redondinho, produção! Fica a dica!


E as brincadeiras não pararam por aí, a noite foi animada mesmo, tivemos o "Errou, Caiu!", com o cover de Gugu e a assistente de palco Juju Salimeni. Destaque para o ator que faz a Sabrina no Legendários, que mostrou que seu rol de imitações é bem mais vasto do que se imagina. De Huck a Murilo Benício, passando por Tony Ramos e Antônio Fagundes.



Mesmo sendo a principal atração, o elenco do Legendários dividiu as atenções com Duda Henklein, conhecida como a baterista mais jovem do Brasil. A menina deixou Xuxa impressionada com sua destreza nas baquetas. O programa não ficou sem música: o grupo Turma do Pagode teve uma rápida participação, mas fez a plateia cantar junto.



Nas externas, uma emocionante história abriu o programa: quase um Toc Toc, que mostrou o projeto "Cinema no Beco", tocado por Lindenbergh Cícero, que leva o cinema para pessoas moradoras de comunidades carentes através da projeção de DVDs em um equipamento Datashow. Xuxa fez uma surpresa e deu de presente uma espécie cinema itinerante.



Outra externa, anunciada na semana retrasada e que acabou adiada, foi a entrevista com Wanessa Camargo, direto de sua casa em São Paulo. As declarações da cantora sobre a separação de seus pais acabaram tendo mais destaque e foram prato cheio para alguns portais de fofoca.



A Caixa Preta já se tornou uma atração a parte em todo programa.  Dessa vez, ela guardava um objeto secreto de Marcos Mion. Depois de muito suspense - iniciado por Nany People - , cogitou-se que o rapaz deveria ficar nu, como nos tempos em que se apresentava no VMB da MTV, foi revelado que o tal objeto era um par de sapatos de salto. Resultado: Mion teve que mostrar suas habilidades no stilleto - dança com saltos altos tanto para homens quanto para mulheres. Mion não fez feio e ainda levou toda sua trupe na brincadeira. O melhor desse momento? Nossa Rainha também arriscou alguns passinhos, mas ficou de bota mesmo (sem salto).


Programa bem descontraído e com boa aceitação do público. Xuxa figurou nos TTs mundiais e garantiu a vice-liderança em vários momentos. Nota 10, Xuxa!


domingo, 22 de maio de 2016

Xou da Xuxa 30 anos - Semana 3

A 3ª semana de comemorações dos 30 anos de estreia do Xou da Xuxa começou com um vídeo muito especial: o depoimento de Filipe Senna, um ex-baixinho que participou das gravações do programa e ainda teve o privilégio de subir na nave. Filipe compartilhou sua experiência conosco e teve seu depoimento ilustrado com as imagens do Xou que ele participou, exibido no dia 5 de agosto de 1991. Ele ainda matou a curiosidade de muita gente ao dizer como era dentro da nave e como Xuxa saía de lá.


Na terça feira, um apanhado de momentos inusitados do Xou da Xuxa, muitos que provavelmente não iriam ao ar se o programa fosse exibido hoje. Não, não tem nada de politicamente incorreto, mas atualmente não é comum ver, num programa gravado, o microfone falhando, alguém passando em frente a câmera ou a apresentadora chamando o desenho na hora errada... Naquela época, a graça estava nesses momentos inesperados e nossa loira sempre soube se sair muito bem com seu bom humor e carisma.


No vídeo de quarta-feira, mostramos 3 momentos em que Xuxa, ao lado da sua turma, ensina aos baixinhos os passinhos que ela adorava fazer naquela época, em 3 anos diferentes: 1989, 1990 e 1991. Ficou curioso com as músicas que tocavam enquanto elas faziam os passinhos? Então anota aí: Manuel (Ed Motta), Check It Out - versão instrumental (Big Time Fresh) e Get Up (Technotronic).



Uma parte acabou sendo aproveitada na coreografia da música "Vem Dançar Comigo", do 4º Xou da Xuxa (1989). 


E quem disse que nossa Rainha esqueceu os passinhos? Pelo menos até 2010 ela sabia fazê-los muito bem, tanto que arriscou a dancinha na gravação do TV Xuxa em 2010, como mostra o vídeo abaixo (o momento não foi exibido na TV):


Na quinta-feira, resolvemos brincar com Xuxa estranhando algumas palavras em 5 momentos diferentes do Xou. Bom, no último vídeo da colagem, quem se atrapalhou mesmo foram as Paquitas na hora de escrever o nome de uma das crianças no adesivo de identificação. Momentos impagáveis!


Na sexta, dois encerramentos de bloco de 1992 bem parecidos, mas em dias diferentes. Ao lado das Paquitas, Xuxa tenta fazer a coreografia de "Ai Que Coisa Boa" com o chão do palco coberto de gluglu, por conta das brincadeiras realizadas anteriormente. Ana Paula Catu e Catia Paganote acabam levando um tombo no primeiro vídeo, cena que foi reprisada em uma colagem do último Xou da Xuxa, lembram?


No Drops Paradão dos Baixinhos, relembramos o cantor Fagner, que participou inúmeras vezes do programa. Nesse programa exibido em 1991, ele canta um de seus maiores sucessos: "Borbulhas de Amor". Xuxa dança o tempo todo com ele e ainda propõe uma troca de alianças - de brincadeirinha, é claro. Naquela época, o cantor havia dado algumas declarações na imprensa elogiando nossa Rainha, o que fez surgirem rumores de que os dois tinham um affair.


Na 4ª semana, teremos um depoimento muito especial de uma das ex-Paquitas do Xou. Dica: ela participou do programa em praticamente todas as temporadas, com exceção apenas da 1ª. Em outro vídeo, Xuxa nos dará dicas do que ouvir durante a ginástica. Fique de olho e comemore com a gente!

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Revista da Xuxa: Edições 46, 47 e 48

Por: Leandro Franco


Sobreviveremos a essa década mortal  / E só mesmo o amor vai nos libertar...
Nem que tenhamos que viver em uma nave espacial,
Sobreviveremos, Sobreviveremos,
Pra recomeçar...

Qualquer um que acompanhou o Xou da Xuxa pela TV estremece só de ouvir esses versos que selam o fim do programa da Rede Globo. Nosso post da Revista da Xuxa chega hoje a esse momento na linha do tempo. Abordaremos as edições 46, 47 e 48, publicadas nos três últimos  meses de 1992, que coincidem com as últimas exibições da atração televisiva.


A extinção do Xou refletiria nas vendas do gibi? Como continuar abordando personagens como Praga, Dengue, Moderninho e até mesmo as Paquitas? Xuxa só estrearia seu novo programa, totalmente diferente da concepção do Xou, em maio de 1993 e à Revista cabia a função de manter o lado lúdico de Xuxa na mente das crianças. Façam o download e venham comentar conosco!

Edição 46
Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 46

Na edição de outubro já começamos com Xuxa às voltas com um pretendente daqueles bem chatos, grudentos – como alguns que já apareceram em edições passadas – mas apesar de ser um tema recorrente, essa história consegue prender a atenção do começo ao fim.


Destacamos o visual do pretendente, claramente uma referência ao supervisor artístico do gibi, Reinaldo Waisman. Podemos dizer que esse rapaz é o Paulista crescido, já que o personagem infantil foi inspirado em Waisman e segundo a ficha-perfil publicada na edição 4: “Ele é gamadão na Xuxa e vive desenhando coraçõezinhos apaixonados para ela”.


Sem contar as coisas meio malucas que o rapaz faz, algo bem Moderninho – sim, Waisman é o pai do boneco de espuma. A propósito, temos algo curioso na história: o encontro de criador e criatura. E então? Concordam? Muita referência num personagem só... 

Praga, fazendo jus a seu nome, aprontou tanto que foi dar de cara com o Tinhoso, mas parece que o nível de encapetamento da tartaruga estava tão alto que nem o Malvadão deu conta...


Na história “O sabonete” um fato curioso: pela primeira vez uma música do 4º Xou da Xuxa (1989) era cantada. A escolhida foi Tindolelê. Lembrando que Lua de Cristal já tinha aparecido na edição 36, mostrando que o Xuxa 5 foi mencionado antes mesmo do 4º Xou da Xuxa. Pelo tempo já deveriam ter mostrado faixas do Xou da Xuxa Seis (1991), mas isso não aconteceu.
“O Caso dos Bombons” traz Moderninho incorporando novamente o detetive inspirado em Elliot Ness. Mais uma vez os “bandidos” Dengue e Praga roubam algo da pobre mocinha indefesa. 



A diferença é que dessa vez não era imaginação do Moderninho...

Fechando o gibi, uma história onde Xuxa vai parar onde Judas perdeu as botas, ou melhor, quase isso...


Notaram a diferença nos quadrinhos dessa história: o cenário é mais elaborado, com mais detalhes. Sabem por que? Um novo estúdio assumiu a edição 46: Amâncio Produções. Não conseguimos saber a razão disso ter acontecido. Talvez o Estúdio AW estivesse de férias... Afinal, o AW volta na edição 48 e cuidará das historinhas até a última edição.


A tirinha que encerra as publicação poderia ser um meme em tempos de combate à dengue, zika e aquela outra lá...

O anúncio da vez fica para o disco Xou da Xuxa Sete! Pela segunda e última vez, o gibi anuncia um disco da Xuxa (o primeiro foi o Xuxa 5). É interessante ver a rapidez com que o anúncio foi publicado; o álbum saiu em 02/10/1992 e já na edição de outubro estava anunciado. A propaganda do Xuxa 5, na época, demorou quase 6 meses para aparecer.



Edição 47
Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 47

Uma das capas mais bonitas da Revista da Xuxa! Podemos dizer que ela é a versão “doméstica” da capa da edição 11. Reparem que na edição 11 temos somente animais silvestres ao redor de Xuxa, enquanto nesta edição são animais domésticos. 
Comparação das capas das edições 11 e 47
E esse sheepdog que não nos foi apresentado? Será que era a Priscilla pegando umas dicas para apresentar um programa em 1993?

Essa roupa da capa também fecha mais uma “trilogia”. Pela última vez Xuxa aparece com seu macacão vermelho. As outras vezes foram na edição 25 e no número 7 de seu Almanaque.


Se na edição anterior comentamos o cuidado da Amâncio Produções em retratar os cenários nas historinhas, dessa vez surpreenderam pelo contrário: uma história inteira só com Xuxa e Praga no “nada”. Bom, a culpa não foi do estúdio, né, Moderninho?

A folga do estúdio acabou na história “Cooper-Ando”. Uma riqueza de detalhes impressionante numa história que pode ser considerada a versão em quadrinhos da clássica mensagem de Xuxa contra a destruição da natureza. A cena final não parece ter sido retirada de um clipe da Xuxa?
"Baixinhos unidos jamais serão vencidos..."

Falando em coisas clássicas, pela primeira vez temos uma historinha inteira sem Xuxa aparecer com seu tradicional penteado de xuquinhas! Acostumem-se, vai acontecer novamente nas próximas edições.


O gibi se encerra com a tradução perfeita de “rir é o melhor remédio”. Não estamos falando da música da Xuxa, que só saiu em 1994, mas sim do ditado popular. Curiosamente a história não nos faz rir e sim pensar no quanto temos que encarar as partes difíceis com bom humor. Xuxa aprendeu e ensina isso direitinho.


No Correio da Xuxa, uma leitora se lembrou da Sandrão e pediu mais histórias com ela. Curioso, não? Uma personagem que nem aparecia no Xou... Bom, pelo menos essa vai ter seu pedido atendido. Aguardem.

Houve quem quisesse uma história contando sobre a trajetória da Xuxa. Poxa, será que ela não leu a “brilhante” versão da vida da Xuxa contada pelo Moderninho, na edição 43?


Estavam com saudades da Mocreia? Pois é, a rival da loira não dá as caras no gibi há algum tempo, mas um anúncio nos fez lembrá-la. O minigame “Xuxa no Labirinto da Mocreia” lançado pela Tec Toy fez sucesso no Dia das Crianças e no Natal de 1992.



Edição 48
Clique aqui para download da versão digitalizada da revistinha nº 48

Pronto! A última edição de 1992, que foi publicada no último mês do Xou da Xuxa. Imaginem como estava a cabeça dos leitores: o Xou acabando significaria o fim da revistinha também? Hoje nós sabemos que não, mas naquela época isso devia ser uma incógnita. De certa forma, a edição já parecia alheia aos acontecimentos na carreira da loira e à época. Estávamos em dezembro, Natal, e a capa não trazia qualquer referência. Também não tivemos historinhas com o tema. A comemoração se restringiu às Dicas Pros Baixinhos, que ensinou a fazer enfeites horrorosos para sua árvore.


Se na edição 42 tivemos o primeiro desenho de Xuxa com o estilo do Xou da Xuxa no ano de 1992, agora temos a primeira historinha; é com esse visual que Xuxa vai se aventurar nas indicações de Moderninho para um bom descanso de fim-de-semana. Indicações do Moderninho? Isso não pode ser boa coisa...


O Estúdio AW voltou a cuidar das historinhas e sabem quem ele trouxe junto? Aquele figurante estranho, o tal Wander, que pensávamos ter morrido, mas agora parece estar vivinho da silva. O cara é multifacetado: Candidato a cargo político (1992 era ano de eleição), ladrão e velhinho do chapéu na ventania... está passando dos limites, daqui a pouco ele aparece mais que a própria Xuxa.






O homem assalta e ainda se candidata a cargo público? Bem Brasil isso... Cadê a polícia federal dos quadrinhos? E o Pavão ainda quis ajudá-lo a recuperar o chapéu. Sabe de nada, inocente.


Moderninho, como de costume, teve mais uma história-solo. Vejam bem, já são 48 edições da Revista da Xuxa, então já estamos mais que acostumados aos devaneios do boneco de espuma. Só que chamar de “devaneio” o enredo dessa história é até elogio! A falta de sentido vai MUITO mais além do que ousamos imaginar. Será que o roteirista tinha cheirado nanquim ou engoliu giz de cera?


Fechando a edição, temos nossa primeira referência à mitologia grega: Xuxa e Xuxo vão enfrentar Cérbero, o cão de três cabeças que guardava os portões do inferno. Bom, aqui ele é chamado de Tição... deve ser porque tição é o carvão tirado do fogo. Fogo... inferno... captaram?



Tempos depois o Harry Potter também encontrou o Tição Fofo (Fluffy)... não adianta, J.K. Rowling, Xuxa fez primeiro! #XuxaDidItFirst


No Correio da Xuxa, uma leitora veio elogiar o Dengue. Curiosamente, essa edição é a primeira onde ele não aparece NENHUMA vez. Foi proposital publicarem a cartinha justo nesse número?

Fechamos o ano IV da Revista da Xuxa! Como puderam ver, o fim do Xou da Xuxa foi totalmente ignorado pela publicação. Que bom, deu aos leitores a chance de continuar contando com a Xuxa nos quadrinhos, já que na TV isso só aconteceu quase na metade de 1993 e, mesmo assim, durou pouco, mas essa é uma outra história...

Vem novidade por aí, começando pelos figurinos versão 1993! Opa, nem tão novos assim... Se você está acompanhando nossas postagens desde o início vai se lembrar. Se não lembrar, deixa com a gente que logo, logo esclareceremos isso...



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...