quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Duendes no cinema, Duendes na sua casa

Por: Jamur e Leandro Franco

Xuxa e os Duendes (2001) pode não ser o filme com maior bilheteria de Xuxa, mas, sem dúvida, é o filme que mais colocou itens no mercado. A história dos seres elementais atiçou a fantasia dos espectadores e também o interesse de várias empresas.


Produtos licenciados
No rastro do filme, diversos produtos foram lançados: de álbum de figurinhas a gorros de duende, tinha de tudo um pouco. Foram lançados também: uma revista Coquetel somente com passatempos relacionados ao filme, um picolé da Geloko (empresa que teve uma parceria com a Xuxa do final de 2000 até o fim de 2002), uma coleção de livro + 5 livretos de passatempos pela Editora Edelbra e uma edição especial da Revista Caras.


* Revista Caras Especial com VHS
A maior parte desses produtos começou a ser comercializada após a estreia do filme nos cinemas e serviu para prolongar o efeito "Duendes" entre os espectadores. É o caso da fita VHS com o making of do filme, que vinha junto com uma edição especial da revista Caras.


A edição de 52 páginas, lançada em 11 de janeiro de 2002, foi totalmente dedicada ao filme, seus bastidores e elenco. As fotos da publicação alternavam entre registros de bastidores, ensaios de divulgação e as cenas propriamente ditas. O VHS foi anunciado como "O Filme do Filme" e trouxe conteúdo inédito e exclusivo.


Com duração de 50 minutos, o vídeo mostra entrevistas com todo o elenco, produtores, diretores, figurinistas, operadores das câmeras HD..,  todos que se envolveram no filme de alguma maneira. Curiosamente, algumas imagens dessa VHS permanecem inéditas no formato DVD até hoje.



* Editora Edelbra e os Duendes
Se a Editora Caras preferiu esperar a estreia do filme, a Editora Edelbra foi mais esperta e lançou, ainda em dezembro de 2001, uma coleção composta por um livro e 5 livretos de atividades baseados no filme.



O livro - comercializado em capa dura - trazia a história do longa-metragem de forma bem resumida.

Não podiam ter escolhido outra foto pra capa?
Tinha que ser justamente uma que só faz sentido após a finalização na edição?
Esse é o momento em que Kira recebe o sapatinho antes de vir para o mundo dos humanos. No filme ela está olhando para o objeto, na capa do livro parece que está tentando ler a própria mão. O filme é de duendes, Edelbra, não de ciganos...

As imagens do livro não fazem jus à produção do filme. A impressão que se tem é que usaram fotos de baixa resolução e quiseram imprimí-las em página inteira. Resultado? Imagem sem nitidez, desfocadas. Nem todas imagens são assim; temos fotos oficiais em várias passagens do livro, o que diminui a má impressão.

Não, não tiramos foto com câmera ruim,
esses são exemplos de imagens de qualidade duvidosa existentes no livro

Curiosidade: como no livro não há como usar o recurso de "quebrar a 4ª parede" (não entendeu o que é isso? Então você ainda não leu nosso outro post sobre Xuxa e os Duendes, tá aqui ó: Os 15 anos de "Xuxa e os Duendes"), a alternativa encontrada foi suprimir esse momento. No filme, Kira (Xuxa) se volta para o público e pede que todos batam palmas se acreditam na magia e a reação da plateia faz com Gorgon (Guilherme Karan) se desintegre até que exista amor em seu coração.

_ Mãe, Pai... não fiquem tristes com as fotos do livro, a de vocês saiu direito...

Os Cadernos de Atividades não trazem fotos, somente desenhos. Desenhos feios, por sinal. É difícil saber quem está desenhado de forma mais estranha. provavelmente utilizaram algum programa que transforma fotos em desenhos e com isso surgiram traços que fariam um troll correr quilômetros em segundos... de medo! A melhor parte fica por conta dos adesivos e tatuagens que vinham encartados. No verso de cada caderno havia um cartão postal para a criança recortar - e estragar o livreto.



Nem no reino dos elementais, esse desenho se parece com a Xuxa...

* Editora Coquetel e seus famosos passatempos
Vimos lançamentos antes e depois do filme sair, mas também temos um lançamento exatamente no dia que o filme foi para os cinemas, 14/12/2001. A Editora Coquetel fez uma edição especial com o tema do longa.



A revista foi vendida junto com o jornal carioca EXTRA ao preço de R$2,50.


Diferente dos livretos de passatempos da Edelbra, a Coquetel usou somente fotos, nada de desenhos.
Chama a atenção o fato que a revista foi totalmente impressa em cores, o que não é comum nas publicações da Coquetel.



* Editora Globo e seus maxicromos
Mais uma editora quis investir nos Duendes: Editora Globo. Depois de exatos 10 anos, Xuxa teve um novo álbum de figurinhas lançado e esse foi especial. Todo feito no formato de maxicromos - as figurinhas são o equivalente a fotos 10x15 e têm uma qualidade superior às tradicionais figurinhas. O projeto do álbum veio a público bem antes do lançamento do filme. Em 13/10/2001, o Jornal Extra divulgou a notícia.


São 72 maxicromos, todos com fotos oficiais do filme. Sem dúvida, é o álbum de figurinhas mais caprichado que Xuxa já teve.


As páginas do álbum também trazem outras fotos do filme como fundo, o que valoriza o produto ao mesmo tempo que perde o sentido quando se tem o álbum completo. Ao colar os maxicromos nos lugares indicados, perde-se a imagem de fundo que passa a se tornar incompreensível.



Até o envelope dos maxicromos tinha um cuidado especial: era colorido e reproduzia a capa do álbum. Impecável! Para nós, o melhor item lançado sobre o filme.




Trilha Sonora

Desde Lua de Cristal (1990), não se elaborava uma trilha sonora exclusivamente para um filme de Xuxa. Esse trabalho foi lançado em CD pela Som Livre no início de 2002.


O disco conta com 14 faixas, 7 cantadas e 7 instrumentais. Participariam das composições: Vanessa Rangel (famosa pelo sucesso, “Palpite”), Michael Sullivan, Carlos Colla, Nando Cordel (autor de “Hoje é Dia de Folia”) e Maurício Gaetani (que posteriormente faria músicas como “Natal Todo Dia” e “Um Novo Lugar”).


Somente uma música não foi feita especialmente para o filme: “O Maravilhoso Mundo dos Duendes”. Versão de Vanessa Alves para “Nel Meraviglioso Mondo Degli Gnomi”, a canção originalmente era tema de um desenho animado da televisão espanhola (lançado em 1997), que também fez bastante sucesso na Itália (em 1998).


Cantada por Xuxa, é considerada uma das músicas tema do filme. A versão de Vanessa Alves é bastante fiel a original, quase uma tradução. 
A outra música tema, “Duendes”, foi composta e cantada por Carlinhos Brown. Convidado pela equipe de produção, Carlinhos falou para o making of do DVD que foi fácil fazer a letra. O cantor ainda participou das cenas iniciais do filme, tocando tambor em uma festa em homenagem a Damiz (Leonardo Cordonis).


Curiosidades:
- Acalanto: Composta e interpretada por Vanessa Rangel, a música foi executada em sua versão instrumental - que também está incluída no CD - no momento que Nanda (Debby Lagranha) se muda da sua casa. Cabe ressaltar que, na versão cantada, Vanessa conta a história de Kira em versos como: “vim não sei de onde, vim de qualquer lugar”, “amores da infância: pai, mãe e irmão”, “eu falo de coração, não consigo lembrar”.


Outras músicas foram para o CD nas versões cantadas, mas no filme só foram executadas nas suas versões instrumentais. 
- No Reino das Águas (Michael Sullivan/Carlos Colla): Cantada por Michael Sullivan, no filme foi executada em sua versão instrumental no momento em que Xuxa e Damiz chegam à fonte das fadas;
- Momento Mágico (Ary Sperling/Vanessa Rangel): cantada pela Paquita Lana Rhodes, no longa-metragem foi executada em sua versão instrumental (que também está no CD), no momento em que Kira reencontra seus pais e Damiz retorna à aldeia;




Home Video
Xuxa e os Duendes foi lançado em VHS e DVD, no dia 30/06/2002, mais de seis meses após sua estreia. A demora no lançamento se justifica pelo grande tempo que o filme permaneceu em cartaz nos cinemas. No início de abril, algumas salas ainda tinham o filme em exibição.



Mais uma vez, Duendes sobressaiu na qualidade dos produtos. Pela primeira vez um filme de Xuxa trouxe extras na VHS e brindes! A primeira tiragem da VHS foi comercializada dentro de uma caixinha de papelão que indicava que o consumidor receberia um cordão com pingente em forma da silhueta de Damiz e um cartão autografado de Xuxa. Em 2001, o DVD já conquistava terreno, mas o VHS ainda tinha seus encantos, por isso a edição mais caprichada ficou para o antigo formato.


Em DVD, o primeiro lançamento de Duendes foi com a embalagem snapcase: tipo de estojo que a Warner usava na época, que consistia numa embalagem de papelão presa por uma trava lateral de plástico. Esse tipo de embalagem não foi adiante, pois recebeu muitas reclamações quanto à durabilidade do material.


Embora menos resistente, a apresentação era bem mais bonita. O DVD também foi comercializado com o cartão autografado de brinde.


Em 2005, o filme foi relançado pela Warner. Dessa vez no formato que a maioria conhece: o box Amaray®. A mídia também sofreu alterações e passou a contar com a foto da capa. A informação sobre o cartão autografado foi suprimida.


A curiosidade fica por conta da duração do filme na contracapa: diminuiu em 1 minuto.  Será que alguém cronometrou e foi reclamar no Procon dos Elementais?


Com tantos lançamentos, uma coisa é certa: você podia até sair do cinema não acreditando que duendes existem e vivem nas florestas protegendo as plantas e os animais, mas certamente passou a crer que eles têm mais força de movimentar o mercado que muito ser humano por aí...



Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Lucas Alves disse...

Olá, sou colecionador do álbum Xuxa e os duendes Maxicromos. Vi pelas fotos alguns envelopes. Vocês me venderiam eles?

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...