domingo, 29 de janeiro de 2017

XSPB 13 de A a Z

Por: Leandro Franco

Há pouco mais de um mês, a espera de quase três anos chegou ao fim: finalmente saiu o XSPB 13. Chamado de “ABC do XSPB”, a edição chegou ao mercado depois de muito atraso, muita polêmica, muito descaso e muita insatisfação dos fãs com o tratamento que Xuxa recebeu daquela que ainda é sua gravadora.


As causas que levaram a postura da gravadora em postergar mais e mais o lançamento desse trabalho já foram objeto de um post nosso – esse aqui: XSPB13 – O 13 dá azar? – e sugerimos a leitura prévia para que você, que chegou agora, possa entender melhor a longa estrada que o alfabeto musicado de Xuxa percorreu até ver a luz do dia, ou melhor, até ver as prateleiras das lojas.

O diretor Paulo de Barros, Xuxa e Junno ladeados pelas "Alfabetes"

As consequências do atraso, no entanto, foram bem maiores que o tempo de espera pelo lançamento e, ao que parece, o ônus ficou somente para a loira. Xuxa viu sua 7ª indicação ao Grammy Latino de Melhor Álbum Infantil chegar com a mesma velocidade que desapareceu. Sim, Xuxa não pôde sequer concorrer. Depois de anunciarem o XSPB 13 como um dos candidatos, a organização do Grammy o desclassificou por não ter sido lançado no ano eletivo da premiação (01/07/2015 a 30/06/2016).

Grammy Latino: pra 2016 não deu... Quem sabe 2017, hein, dona Som Livre?

Somado a isso, tivemos um hiato gigantesco desde a última edição lançada, a número 12 em 2013. Xuxa Só Para Baixinhos é um projeto que tem a habitualidade como elemento fundamental e qualquer lapso não planejado pode comprometer sua continuidade. Ora, desde seu lançamento tivemos uma nova edição a cada ano praticamente. Note-se que nos anos que não tivemos o volume “inédito”, tivemos algum show ao vivo marcando presença na lista de lançamentos anuais de Xuxa.


Desde 2008, Xuxa não tem programa infantil na TV mas sua imagem junto às novas gerações de baixinhos se fazia presente através do XSPB e seus empreendimentos: o Parque de diversões indoor Mundo da Xuxa e a Casa X – uma casa de festas equipada com tudo que um baixinho possa imaginar para ter a festa dos sonhos. Todos dois calcados na turminha que acompanha a apresentadora a cada DVD.

O Mundo da Xuxa, inaugurado em 2003, encerrou suas atividades em 2015 e “passou a bola” para a franquia Casa X, como dizia o encerramento do comunicado oficial: A magia e a alegria sempre presentes no Parque, agora estão multiplicadas em todas as "Casas X" espalhadas por todo o Brasil.

Comunicado de encerramento das atividades do Parque Mundo da Xuxa, em 2015

A Casa X, embora não seja um desdobramento do XSPB e seus personagens, apresenta fortes referências ao tema, começando pela entrada de algumas filiais com um imenso Txutxucão. Sem um XSPB no mercado, como justificar a presença de tais personagens para o baixinho de 2 ou 3 anos que vai fazer sua festinha de aniversário na franquia? Ok, a criança pode até conhece-los de DVDs antigos, mas já é um fator a mais a se considerar.



O descontentamento de Xuxa também ficou evidente em várias vezes que ela se pronunciou sobre o projeto e seu não-lançamento. O XSPB sempre foi seu “projeto do coração” e vê-lo submetido à exigências contratuais fez com que ouvíssemos algo que nunca foi dito desde o lançamento da série.
Numa transmissão ao vivo, em 19/12/2016, através de seu perfil no Facebook, a Rainha respondeu à pergunta de um internauta sobre quando sairia o volume 14 do XSPB. A resposta foi totalmente diferente do que estávamos acostumados a ouvir.  Sempre que lançava uma edição e era perguntada sobre o futuro, Xuxa respondia que já tinha ideias para os próximos 2 ou 3 volumes. Dessa vez, foi assim:
Eu acabei de lançar o 13. Ninguém “tá” nem querendo falar sobre o 13. Você acha que vou pensar no 14? Pensa, raciocina comigo: se o 13 ficou dois anos e meio pra sair, ficou aí parado. Não tem nem como as pessoas saberem que está nas lojas. Você acha que vou lançar o 14?...


A resposta se refere principalmente à decisão da gravadora de não divulgar o produto em nenhum meio de comunicação como programas de TV, jornais, revistas ou rádios.
Diz o ditado que “a propaganda é a alma do negócio”, o XSPB pode até não ter propaganda, mas alma ele tem e muita! O que se viu nessa edição foi a alma de Xuxa e sua equipe. Quando dizemos “alma” não nos referimos à qualificação sobrenatural da palavra e sim à vontade de que fosse um trabalho bem feito, bem pensado, justificado.

Paulo e Xuxa acompanham a atuação da menina Maysa em "ABC do XSPB"

À época das gravações Xuxa estava no meio de um tratamento de sesamoidite que a obrigava a usar uma bota ortopédica que limitava seus movimentos. Sem chance de coreografias e piruetas. Pois bem, utilizou-se o plano americano para filmagem (foco acima da cintura somente) e as coreografias fizeram falta? Não! Um XSPB totalmente diferente dos demais, com bonecos do tipo muppets e animações, foi o resultado. Personagens já conhecidos encontraram novos personagens e pequenos detalhes fizeram toda a diferença.

Filmagem em plano americano, muppets e muita animação! Isso é o XSPB 13!!!


O tema
O alfabeto é o trilho desse volume. Brincar com a coleção de letras não é novidade para Xuxa. Quem não se lembra do “Abecedário da Xuxa” (Xou da Xuxa 3, 1988)? Até mesmo no XSPB, o tema já tinha aparecido – timidamente – no volume 2 (2001), na faixa “The Alphabet Song”, depois na regravação de “Abecedário da Xuxa” no volume 6 (2005) e por fim na música "ABC do Txutxucão", no volume 8 (2008). Dessa vez, nada de regravações ou versões; tudo novo! Sob a batuta de Junno Andrade, Elias Almeida, Fábio Caetano, Marcelo Barbosa e Bozzo Barretti, cada letra ganhou sua própria música.

Abecedário em quatro prévios momentos

Os bonecos
Quarenta bonecos foram usados nas gravações e a interação com os fantoches também não foi algo totalmente novo no projeto XSPB. Quando o XSPB foi lançado em DVD, no ano de 2002 (antes só existia VHS), quem fez o comercial contando a novidade foi uma “baixinha” muito parecida com uma das “estrelas” do XSPB 13...

A bonequinha de 2002 e a de 2014: muita semelhança e a mesma alegria

O ratinho azul em versão muppet também já tinha dado o ar da graça no XSPB 12, mas agora TODA a turma virou boneco: Txutxucão, Bila Bilu, Moio, os outros ratinhos...

Toda a turma XSPB ganhou sua versão muppet

Os novos bonecos são ricos em detalhes para representar todo tipo de baixinho, não importa a etnia ou se é ou não portador de necessidades especiais. Todo mundo tem um muppet para chamar de seu.

Repararam que um deles tem até um aparelho auditivo? XSPB também é inclusão!

Conhecemos ainda o sr. José Xexéu que, além de diretor do XSPB, conduz o making of e bota ordem na turma toda, menos no Xaxá.



Não sabe quem é o Xaxá? É o GuaXiXinim, ops, guaxinim que faz xixi no xaxim... Não entendeu? Vá ver o clipe da letra X.



Gato Gugu, Sr. Quirino, Dona Quitéria, Zebra Zombeteira...
O que não falta é gente nova para conhecer.

Ô, Xuxa, inclui essa zebra de vez na turma, vai?


Referências
Falando em gente nova, teve um boneco que era “o cara’, mas justamente por ser “o cara” não pudemos conhecê-lo. O boneco da letra C era para ser uma referência ao cantor Roberto Carlos. A letra da música não deixa dúvidas disso, muito menos a entonação da voz – feita pelo Junno – durante a canção. “Ele é o cara, ele é o bom” diz a letra... Não precisa muito esforço para que nos lembremos do último sucesso de Roberto Carlos: “Esse Cara Sou Eu” (do EP homônimo de 2012) ou da clássica canção da Jovem Guarda, “O Bom”, movimento do qual Roberto foi um dos expoentes.


O fato é que, conforme contou o colunista do Jornal O Globo, Ancelmo Gois, Roberto não gostou do boneco e a Som Livre decidiu refazer o clipe da letra C. Um novo boneco foi feito, dessa vez sem parecer com o jovem Roberto Carlos. Não teve o Rei, mas quem liga?



As referências não param por aí e não se restringem aos bonecos. Pelo menos dois programas infantis de Xuxa podem ser lembrados enquanto assistimos ao DVD: Xuxa no Mundo da Imaginação (2002-2004) e o TV Xuxa na fase 2007. O vídeo da Letra M lembra – e muito – uma das aberturas do XMI, enquanto as vinhetas das Letras E, K, W e Y usam o recurso de se escrever as letras com pessoas, exatamente como no TV Xuxa de 2007.




A abertura do TV Xuxa em 2007 e a introdução de algumas letras no novo DVD


Aos mais saudosos e atentos, outra referência pode ser encontrada durante a música das vogais: após apresentar as 5 letrinhas, Xuxinha diz “espera que tem mais um pouquinho de u: uuuuuuuu”. Quem se lembrou do final de “Pelados em Santos” dos Mamonas Assassinas?

Xuxinha e Guto fazendo referência aos Mamonas?



Formatos e Tiragens
Foram lançadas duas versões do XSPB 13: DVD e Kit CD+DVD.



Não tivemos a versão só em CD, tal ausência não foi novidade no projeto, os volumes 10 e 12 (lançados pela Sony Music) já não tiveram essa opção. Entretanto, a versão em CD chegou a ser elaborada por Felipe Góis, como o próprio chegou a mostrar em seu Instagram.




Provavelmente a Som Livre não achou interessante investir no formato pelo fato de, além das vendas de CDs estarem em queda ano após ano, o XSPB 13 é, talvez, o volume mais audiovisual da série. Muitas músicas crescem quando se tem a parte visual. Querem exemplo? Como não se divertir com o apelo visual da letra G ou da letra X? O gato Gugu em sua geladeira e o guaxinim Xaxá em seu jardim fazem ou não fazem a diferença?

Gugu e Xaxá: Você não gostaria tanto dos dois se não os visse...

Voltemos ao assunto das vendas de mídias físicas... O volume 13 teve a tiragem inicial de 10.000 cópias para o formato DVD e 3.000 cópias para o kit CD+DVD. A realidade é triste, principalmente se você é amante da parte tangível da música, mas não tem a ver com boicote à Xuxa, como alguns fãs chegaram a noticiar. Pelo menos não nessa parte.


Tiragens dos kits em 2013 e 2016: crise no mercado e o problema não é com a Xuxa

Óbvio que não se pode comparar a tiragem do volume 12 com a do 13, anos se passaram. O mercado se retraiu e a comparação não vale só para Xuxa. Vamos sair do Universo X um pouco.
Gosta de MPB? Marisa Monte... nome forte! Em 2014, o CD Verdade, Uma Ilusão teve a tiragem inicial de 100.000 cópias. Em 2016, Marisa lançou Coleção com tiragem de 40.000 cópias.
Prefere o pop internacional? Beyoncé... Em 2013, o álbum visual (CD+DVD) BEYONCÉ teve tiragem inicial de 100.000 cópias. Um estrondo! Em 2016, a sra. Jay-Z voltou com um outro álbum visual, Lemonade,  aclamado por toda crítica – ou seja, publicidade mais que favorável – e a tiragem foi de 40.000 cópias. A gravadora a boicotou também?


_ Jay-Z, corre aqui! Você sabia disso?

Sejamos mais específicos e usemos artistas da Som Livre como exemplo para saber se o problema é mesmo da gravadora: Tiago Iorc, o cantor do momento. Seu mais novo álbum “Troco Likes ao Vivo” também saiu em kit CD+DVD e a tiragem foi de 3000 unidades. Igualzinho ao XSPB 13, só que Tiago tem música na novela, no rádio, frequenta TODOS os programas de TV.

Nem os milhões de "likes" do rapaz garantiram uma tiragem inicial maior

Maria Gadú... a moça que estourou em 2009 e inclusive participou do XSPB 10, anda meio sumida das paradas, mas também lançou seu kit CD+DVD Guelã ao Vivo esse final de ano: 5000 cópias. Até melhor do que esperávamos, mas distante das 15000 unidades do seu primeiro kit DVD+2CDs.

Não tá fácil pra ninguém, não importa se é Shimbalaiê ou XSPB

Para engrossar as vendas e se adaptar à nova realidade, digitalmente o álbum está disponível em todas as plataformas: iTunes, Spotify, Deezer, Google Play Music, Tidal



Vendagens
O álbum está entre os mais vendidos do site da Som Livre. Uma excelente resposta para quem foi preterido por tantas vezes. Esperamos que isso estimule a gravadora a investir em alguma forma de divulgação mais efetiva nos meios de comunicação.
Até agora, a única boa divulgação em mídia impressa que o projeto teve foi a capa do suplemento “2” do Jornal capixaba ES HOJE do dia 28/12/2016 e a matéria nem era específica para o XSPB. Melhor que nada...

A única publicação a dar destaque ao XSPB até agora.


Curiosidades

> Junno divide os vocais com Xuxa nas faixas das letras C, F, H, R, U e W.


> Se ao inserir o DVD no seu player, você optar pelos menus com audiodescrição você verá menos conteúdo extra. As opções “ABC do XSPB” com Maysa Monjardim, “ABC do XSPB” com Sofia Nandi e Galeria de Fotos não aparecem.

Menu de "EXTRAS" sem audiodescrição


Menu com audiodescrição: menos opções e um "bug" na plaquinha da FXM, que aparece duas vezes

> Maysa Monjardim, filha de Jayme Monjardim e Tânia Mara, estreou como cantora no DVD e ela faz jus ao que diz a letra de “ABC do XSPB”: “não precisa ter medo de errar...” A menina se enrola toda ao cantar o alfabeto, garantindo um vídeo daqueles que você tem vontade de postar um emoji de coração no olho na tela da sua TV.


Maysa:  verso "não precisa ter medo de errar" ao pé da letra 

> Os clipes das letras D e S não mostram Xuxa. Já na letra P, a loira aparece por dois segundos no início.

> Algumas letras se tornaram personagens para contracenar com Xuxa: F, H, U e W. Já as letras C e R são bonecos cujo corpo tem o formato da letra.



O número 13
Quando escrevemos nosso post sobre o XSPB 13, ainda inconformados com a dificuldade que a gravadora impôs para lançar o projeto nós nos perguntamos: o 13 dá azar? Olha, agora que o álbum saiu, que já vimos o quanto Xuxa e equipe se dedicaram, o quanto Junno e seus parceiros se mostraram em sintonia com o universo infantil e, principalmente, o quanto o XSPB tinha todas as chances de vencer o Grammy 2016 temos a certeza que o 13 representa azar... azar de quem não assistir.  Valeu a espera!




Pra você que ainda não garantiu o seu, o do sobrinho, do priminho, do afilhado, do filho da melhor amiga, basta clicar na loja de sua preferência e encomendar:












Ah, querem saber quais letras nós indicamos? Bom...



sábado, 28 de janeiro de 2017

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Vídeo Exclusivo: Xuxa canta Abracadabra no Mundo da Imaginação

Na semana em que relembramos o "Xuxa Gêmeas", voltamos com o drops de verão lembrando de outro filme: Abracadabra. Confira uma apresentação da música tema em um dos programas de verão do "Xuxa no Mundo da Imaginação" de 2004, numa versão diferente do que é mostrada no longa e só com a nossa loira cantando ;)


domingo, 22 de janeiro de 2017

10 anos de “Xuxa Gêmeas”

Por: Jamur Colaboração: Leandro Franco

Você já imaginou a Xuxa fazendo o papel de uma irmã gêmea ambiciosa, que só pensa em dinheiro, que humilha seus funcionários e que manda matar sua irmã boazinha? Até 2006, era difícil de imaginar, mas nesse ano foi lançado o filme “Xuxa Gêmeas”. 

Xuxa Gêmeas chegou aos cinemas em 15 de dezembro de 2006

Um projeto antigo e ambicioso
Antes de abordarmos os acontecimentos de 2006, precisamos voltar no tempo, mais precisamente em dezembro de 1990. A carreira da Xuxa estava de vento em popa. No Brasil, Xuxa havia emplacado, com Lua de Cristal, um sucesso duplo: musical e cinematográfico. Internacionalmente, após o sucesso do seu primeiro disco em espanhol, Xuxa estava prestes a dar mais um passo audacioso: o lançamento de seu programa, nos mesmos moldes do Xou da Xuxa, na língua espanhola.

Com tantos bons momentos, era hora também ousar no cinema. Xuxa, no Xou de 31/12/1990, ao se justificar que ficaria de férias do programa no início de 1991, informa que faria, nesse período, um filme no exterior. E esse longa seria... o Gêmeas?!? (minuto 3:41)




As filmagens acabam adiadas para junho/1991. Matérias publicadas nos jornais O Globo, de 16/03/1991 e Jornal do Brasil, de 24/03/1991 traziam algumas informações sobre o filme: ele custaria em torno de US$ 1,5 milhão e seria uma coprodução brasileira, espanhola e mexicana. O longa teria, no elenco, artistas dos três países e teria um lançamento simultâneo em toda a América Latina e no México. No elenco, estavam cotados o cantor mexicano Emmanuel (que já havia participado do especial de natal da Xuxa de 1990), Fábio Jr e Maurício Mattar. 


A expectativa de Diler Trindade era que o filme fosse visto por um público semelhante ao de Lua de Cristal no Brasil e 8 milhões de pessoas no México. O longa metragem levaria a assinatura de George Lucas, pois utilizariam uma tecnologia criada por sua empresa na época, a Industrial Light & Magic, para fazer as gêmeas se tocarem.
Em entrevista à revista Moda Moldes de julho de 1991, Xuxa atiçou a curiosidade de todos os baixinhos da época: dois papéis, Gêmeas, México...



Como sabemos, o projeto não foi pra frente...


Xuxa fazendo comédia no cinema – também um projeto antigo
Uma das maiores motivações de Xuxa em fazer o filme em 2006 foi o fato dele ser uma comédia do início ao fim. Contudo, a ideia de se fazer uma comédia com a loira no cinema também é antiga. Após experiências em filmes dos Trapalhões e no Xuper Star, sem contar os incontáveis momentos cômicos protagonizados por Xuxa em seus programas, era inegável que a Rainha tinha uma veia cômica.

Xuxa e Chico Anysio nos bastidores do Xuper Star (1991)

Por conta disso, algumas entrevistas em 1994 chegaram a anunciar o projeto do longa “Morrendo de Rir”. O filme seria filmado no segundo semestre de 1994 e teria no elenco Tom Cavalcanti e Cláudia Jimenez (Folha de São Paulo de 28/05/1994 e Jornal do Brasil de 04/06/1994).
Mais um projeto que não foi para frente... ou foi? Será que algum elemento desse filme faz parte de Gêmeas? Provavelmente, nunca saberemos...



Agora vai! E ainda vira concurso na TV!
2006 foi um ano de comemoração na carreira da Xuxa. Completando 20 anos na Rede Globo, a data não passou em branco, com direito a especial de TV, CD e DVDs comemorativos. Num ano especial como esse, o filme também deveria ser diferente. Para isso, foi retomado o projeto de se fazer um filme com “duas Xuxas”, mas desta vez, sem o caráter internacional.


Mel e Elisabeth, as gêmeas de Xuxa

No dia 04/06/2006, Xuxa foi ao Domingão do Faustão lançar diversos projetos: a campanha “Não Bata, Eduque” (que tinha sido lançada oficialmente havia 2 dias, no Rio de Janeiro), o DVD “Xuxa, o Show ao Vivo” e o projeto do filme Gêmeas. Os apresentadores informaram que no programa dominical haveria um concurso, idealizado por Jayme Praça, diretor do Domingão, e pela produção da Xuxa, para escolher uma sósia da Rainha.

A procura pela sósia virou até capa de revista!

As candidatas precisavam ter de 18 a 35 anos e a vencedora teria o intuito de ajudar nas filmagens, principalmente nas cenas em que as irmãs gêmeas contracenam. Posteriormente, enquanto as inscrições estavam abertas, o concurso era divulgado diariamente pelo TV Xuxa e pela coluna dominical de Xuxa no Jornal EXTRA.

Anúncio publicado na coluna dominical de Xuxa, no jornal EXTRA

O concurso foi realizado no dia 27/08/2006 e a vencedora foi a turismóloga Isabele Fintelman. Mais detalhes sobre ele podem ser conferidos nesse post: Parece, mas não é: Xuxa e sua sósia #1




Roteiro
No júri do concurso do Faustão, estava presente a atriz Patricya Travassos. Conhecida por novelas como Vamp (1991), ela também foi compositora de músicas da banda Blitz e foi roteirista de trabalhos que marcaram época na televisão, como Armação Ilimitada (1985) e TV Pirata (1988). Em 1990, foi ela a responsável pelo argumento de Lua de Cristal, o maior sucesso da carreira da Xuxa nos cinemas. Dezesseis anos depois, buscou-se novamente contar com Patrycia, desta vez não apenas para escrever o argumento, mas também o roteiro.

Além de assinar roteiros, Patricya contracenou com Xuxa em Xuper Star (1991)

Também participaram da elaboração do roteiro: Flávio de Souza (criador de programas infantis como Mundo da Lua (1991) e Castelo Rá-Tim-Bum (1994), ele já fazia parte do mundo X desde 2003, com Xuxa Abracadabra) e Jorge Fernando, diretor do filme, que foi também o responsável pelo TV Xuxa nos anos de 2005 e 2006.

Bem antes de dirigir uma comédia Xuxa no cinema,
Jorge Fernando brincou de dirigir a rainha em uma comédia na TV: o Xuper Star

Infelizmente, não temos como saber como era o roteiro de 1990/1991 e se ele de fato foi reaproveitado em 2006. Na versão final do filme, temos a história das gêmeas Mel e Elisabeth, filhas do poderoso empresário da comunicação, Júlio César Dourado. Por um descuido de sua babá, Mel, ainda bebê, acaba se separando de sua família e passa a ser criada por uma trupe de circo. Anos depois, Mel dirige a escola de artes cênicas “Estrelas do Amanhã”, um projeto social situado numa favela do Rio de Janeiro. Ela é querida por todos, pelo seu jeito meigo e prestativo.

Mel (Xuxa) e Ivan (Murilo Rosa) numa das cenas do filme

Por conta da desistência do patrocínio do jornal “O Dourado” na escola, Mel vai até o império gráfico falar com a sua presidente, sem saber que seria sua irmã, Elisabeth. Completamente o oposto de Mel, Elisabeth é rancorosa, ambiciosa, só pensa em ganhar dinheiro e não está interessada no bem do próximo. As duas não se encontram num primeiro momento, mas em meio a uma trama que envolve um diamante escondido num lustre de cristal, uma apresentação circense e um mágico, que atrai o interesse amoroso de ambas as irmãs, a vida das duas muda para sempre.
Percebe-se que o filme utilizou-se um elemento muito usado na dramaturgia: a história de gêmeos extremamente parecidos fisicamente e totalmente opostos na personalidade, como, por exemplo, na novela Mulheres de Areia (Tupi/1973, Globo/1993).

Parece, mas não é: Elisabeth e Mel se encontram pela primeira vez


Falando em novela, nota-se a mão de Jorge Fernando no roteiro no momento em que boa parte do elenco sai em busca do diamante escondido no lustre de cristal. A mesma premissa foi utilizada no último capítulo de Jogo da Vida (1981), de Silvio de Abreu, primeira novela de Jorge Fernando como diretor. Na novela, vários personagens estavam procurando um cupido, que continha uma fortuna. Essa cena também se passava num circo. Coincidência?  Acho que não...


Filmagens e locações
As filmagens aconteceram basicamente durante o mês de setembro/2006. As primeiras cenas da Xuxa foram filmadas no dia 10/09/2006, no parque gráfico do jornal “O Globo”, que fez as vezes do jornal fictício “O Dourado”.



Outra locação foi uma favela do Rio de Janeiro, chamada Tavares Bastos. Todas as cenas envolvendo a favela, de diferentes momentos do longa, foram filmadas durante todo o dia 19/09/2006. Devido ao trabalho intenso, tanto Xuxa, quanto Ivete Sangalo não falaram com a imprensa no dia (site O Fuxico, de 19/09/2006). Muitos moradores da favela se aglomeraram para ver as estrelas.


Também foram filmadas cenas no circo de Beto Carrero e no Museu do Primeiro Reinado (algumas locações do museu foram utilizadas para servir de mansão da família Dourado).


Semelhanças com Xuxa Requebra

Percebem-se semelhanças entre algumas cenas dos filmes “Xuxa Requebra” (1999) e “Xuxa Gêmeas” (2006). Como sabemos, houve um roteiro inicial lá em 1991, mas o que mais pode ter sido aproveitado além da ideia das Gêmeas? Podemos dizer que Requebra também teve elementos retirados desse roteiro engavetado? Tirem suas conclusões...
- Os filmes se iniciam com cenas nas quais mostram as personagens de Xuxa bebês, deixando suas famílias de sangue e passando a viver com outras pessoas;
- Jornais fictícios têm ligação direta com a protagonista: “Hora X” (Xuxa Requebra) e “O Dourado” (Xuxa Gêmeas);


- Escolas de artes que enfrentam dificuldades financeiras, correndo o risco de serem fechadas: Dois Corações (Xuxa Requebra) e Estrelas do Amanhã (Xuxa Gêmeas);
- Uma apresentação artística é o elemento decisivo na história: o festival de dança Requebra 2000 (Xuxa Requebra) e uma participação no circo de Beto Carrero (Xuxa Gêmeas);
- Horror x Amor: a personagem de Xuxa é sequestrada e, no final, pedida em casamento... 


Semelhanças com outros filmes
Além de semelhanças com Requebra, Xuxa Gêmeas tem diversas referências a outros filmes, algumas talvez involuntárias, outras não:
- A cena inicial, da bebê caminhando calmamente até a trupe do circo, escapando de ser atropelada por um caminhão, lembra “Ninguém Segura esse Bebê” (1994);
- Mel tem em sua casa uma “geringonça” para alimentar seu peixe. Geringonças parecidas podem ser vistas em filmes como “De Volta para o Futuro” (1985), “Os Goonies” (1985) e “O Casamento dos Trapalhões” (1988);
- Byte (Eike Duarte) chama seu notebook de Mad Max, nome da franquia de sucesso dos anos 80.
- Mel é salva das mãos dos capangas de Elisabeth com ajuda de Poodle (Maria Mariana Azevedo) e Byte (Eike Duarte). As crianças fazem armadilhas muito parecidas com as criadas por Kevin na franquia “Esqueceram de Mim”, sucesso da década de 90;
- Patricya Travassos, em depoimento publicado pelo site O Fuxico, falou que criou a personagem Elisabeth com base no livro/filme “O Diabo Veste Prada”. Patricya fala: “Na época que estava desenvolvendo o texto, li o livro e a personagem de Meryl Streep (Miranda Priestly) me ajudou muito na criação da personagem de Xuxa. Utilizando seu jeito cruel de tratar as pessoas, mas adaptando com um lado engraçado.”



Xuxa sofreu... mas recebeu elogios!
Durante toda a divulgação de Gêmeas, Xuxa foi enfática em dizer o quanto foi difícil para ela fazer a vilã. A Rainha fala ao Faustão em 10/12/2006, que não conseguia se colocar no lugar da personagem: tinha que usar unhas postiças, tinha que andar diferente, falar com a voz grave... Fora que o fato de interpretar dois personagens fez com que ela praticamente não tivesse folga no meio das filmagens.

O primeiro dia de filmagem: a dublê/sósia Isabele, o diretor Jorge Fernando e Xuxa

Algo que seria interessante frisar é que pela primeira vez a Xuxa precisou estudar a fundo um personagem, afinal era sua primeira vilã. Em entrevistas na época de divulgação do filme, a Rainha e Jorge Fernando informaram que os dois, antes de iniciarem as filmagens, leram todo o roteiro juntos, estudando, cena a cena, a maneira que as duas personagens deveriam se portar.
Essa preparação diferenciada deu resultados. Apesar de não se denominar atriz, seu trabalho foi elogiado pelos atores do filme e pelo Jorge Fernando, em depoimentos para o making of do DVD do filme. Xuxa também chegou a receber um “elogio”, de Laura Mattos, da Folha de São Paulo, que fez uma das críticas do filme. Laura diz que "pela primeira vez nas mãos do diretor Jorge Fernando, a loira provoca menos "efeitos colaterais" nocivos em seus ‘baixinhos’”. Bom, para a Rainha, que praticamente só recebe pauladas dos críticos de cinema, já foi um avanço...

A composição de Elisabeth Dourado: unhas postiças, peruca, joias e muita arrogância


Bilheteria
Segundo os dados da Ancine (Agência Nacional do Cinema), “Xuxa Gêmeas” teve uma bilheteria final de 1.007.490 espectadores, bilheteria esta que, na época, foi a mais baixa entre os filmes protagonizados pela Xuxa - não consideramos “Xuxinha e Guto contra os Monstros do Espaço” (2005), que teve 596.218 espectadores.
Apesar da bilheteria aquém do esperado, Xuxa venceu seu concorrente nacional, “O Cavaleiro Didi e a Princesa Lili”. Lançado na mesma época que Gêmeas, o filme de Renato Aragão teve 742.340 espectadores.

O Jornal O GLOBO, em matéria de 13/05/2007 (Respeito a Glauber, apreço por Verbinski), ressaltou a importância  de “Xuxa Gêmeas”:

Daqui a 3.834 ingressos, “Xuxa Gêmeas”, o mais recente longa-metragem da atriz brasileira de maior público desde os anos 90, alcança a marca de 1 milhão de espectadores. Seu público, de 996.166 pagantes, não é dos maiores. Segundo sua média na Retomada, cada filme seu costuma ser visto por 1,8 milhão de pessoas. Mesmo assim, “Xuxa Gêmeas” é o segundo filme nacional de maior bilheteria em 2007, perdendo para “A Grande Família – O Filme”, visto por milhões de brasileiros.

Nota do blog.....: Retomada é o período em que as produções cinematográficas brasileiras
voltaram a acontecer depois de 1992. A Retomada compreende o período de 1995 a 2005


Valho por duas, meu amor!

Divulgação
- No dia 10 de dezembro daquele ano, Xuxa foi até Domingão de Faustão divulgar o filme e contou algumas curiosidades sobre as filmagens:



- Xuxa Gêmeas contou com duas pré-estreias. Uma em São Paulo, no dia 9 de dezembro no Shopping Jardim Sul; e outra no Rio de Janeiro, no dia 13 de dezembro, no cinema UCI da Barra:


O elenco na pré-estreia carioca do longa


- O programa Casseta & Planeta contou com a participação de Xuxa para divulgar o filme em uma divertida esquete, exibida no programa do dia 19 de dezembro de 2006:



- No TV Xuxa, durante a semana da estreia o quadro Conta Aí trouxe entrevistas diretamente dos bastidores das filmagens e na última semana do ano, o entrevistado Jorge Fernando contou mais detalhes do longa.



- A Coluna de Xuxa no Jornal Extra durante o mês de janeiro contou com a seção "Mural Gêmeas" onde os leitores(as) mirins que tinham irmãos gêmeos enviavam sua foto para ser publicada.



- A revista Isto é Gente em parceria com a Candide fez uma promoção onde os leitores deveriam responder à pergunta: “Se você pudesse escolher seu próprio irmão(a), como ele(a) seria?”. As melhores respostas ganhariam ingressos para o filme e lap tops da Xuxa. A promoção foi de 03 a 10 de janeiro de 2007.




- A Revista Caras no início de dezembro recebeu em sua ilha, Xuxa e parte do elenco para assistir ao filme pela primeira vez na íntegra e  fez uma extensa matéria sobre o filme. Foi a última capa da revista no ano de 2006.

O encontro foi publicado na revista Caras de 29/12/2006


Curiosidades
- Circo: Xuxa, a princípio, foi contra ao abordar novamente o tema circo (além do XSPB/show, o circo também foi utilizado no filme “Xuxa e o Tesouro da Cidade Perdida”), mas foi convencida que visualmente o circo é muito rico e ficaria bonito na tela do cinema (O Globo, de 20/09/2006);

- Riqueza: A personagem Elisabeth (Xuxa), fala “porque eu sou rica” muito antes da personagem de Carolina Ferraz na novela Beleza Pura (2008), meme utilizado até hoje;

- Troca de bordões: Elisabeth (Xuxa) fala para a personagem de Fabiana Karla (a enfermeira) o bordão “vem cá, te conheço?”, bordão esse que era utilizado pela personagem de Maria Clara Gueiros no humorístico Zorra Total. E ainda aconteceu o inverso: Elisabeth falou para Jenifer Smith McCartney da Silva (Maria Clara Gueiros) o bordão “isso não te pertence mais”, utilizado pelo personagem de Fabiana Karla também no Zorra Total;



- Sou rica! Elisabeth (Xuxa) possuía um celular Motorola V3 dourado, símbolo de ostentação na época (2006). Algo como o iPhone 7 nos dias de hoje;

- Cantora Atriz ou Atriz Cantora? No cartaz de divulgação do filme, somente Ivete Sangalo não está caracterizada como sua personagem no filme. A intenção parece ter sido chamar atenção para a cantora Ivete Sangalo, tanto que a foto utilizada é do Carnaval de 2006, num dos momentos em que Ivete comanda seu trio elétrico.



- Já próximo ao lançamento decidiram mudar o logotipo do filme. A primeira versão chegou a ser veiculada no trailer e também na camiseta que Xuxa usou no Concurso Gêmeas. Além disso, um cartaz com a foto de Ivete na cena final chegou a ser divulgado, mas acabou sendo substituído pelo que conhecemos hoje.

Além de Ivete, há diferenças no rosto escolhido para o boneco de Murilo Rosa
e a disposição do elenco também é um pouco diferente.


- Princípio dos 3 Rs. Reduzir os gastos, Reutilizando as Roupas, não é, produção? A cena final de Xuxa e Ivete no circo mostra que não foi só a foto da Ivete que foi reaproveitada no cartaz. O vestido também é o mesmo. Já Xuxa reutilizou o casaco de sua participação no programa La Noche del Diez, na Argentina, em 03/10/2005.



- Paquita malvada? Ana Paula Guimarães (Catu), ex-paquita, fez uma participação rápida no filme, na qual fez um papel de uma mãe que ameaça bater na sua filha, ação que é impedida por Mel (Xuxa). Essa cena foi incluída para divulgar a campanha “Não Bata, Eduque”, lançada naquele ano.



Beto Carrero: o cáuboi brasileiro fez uma participação afetiva no filme. Ele já havia feito participações, como ele mesmo, em outros dois filmes que a Xuxa fez: “Os Trapalhões no Reino da Fantasia” (1985) e “Xuxa e os Trapalhões em O Mistério de Robin Hood” (1991).

- Cantora/Atriz/Compositora (ufa)... A música que Ivete Sangalo canta no final do filme, “Coisas Maravilhosas”, foi composta pela cantora, um dia antes de ser filmada a cena na qual ela interpreta a canção. Essa composição “a toque de caixa” se deve ao fato de Jorge Fernando, que estava procurando uma música para encerrar o filme, não ter recebido a mesma a tempo. Com isso, Ivete se ofereceu ao diretor para compor a canção. Mesmo em tão pouco tempo, a criatividade foi tanta que ela compôs duas músicas! Segundo palavras da Ivete, Jorginho gostou das duas, mas optou-se por “Coisas Maravilhosas” (de Ivete Sangalo  e Neilton Cerqueira)



- Mundo Mágico do Circo: O que motivou o ator Murilo Rosa a aceitar o convite para o filme foi o fato dele interpretar um artista de circo. No início de sua carreira, ele quase foi trabalhar num circo no México, sendo assim um apaixonado pelo picadeiro. Para fazer o mágico Ivan, ele teve um laboratório de 3 dias com o ilusionista Issao Imamura. Murilo teve que assinar um termo de sigilo (pois aprendeu os truques) e conseguiu, assim, fazer as mágicas no filme sem dublê, algo que, segundo o ator, foi inédito no cinema brasileiro;


- Conta Aí ou Convida Aí? Parte do elenco de humoristas presentes no filme foi convidada no ar pela Xuxa, através do quadro “Conta Aí”, do TV Xuxa 2006, como, por exemplo: Fabiana Karla, Leandro Hassum e Marcius Melhem, já Ary Fontoura, Thiago Martins e Emiliano Queiroz foram convidados pelo Jorge Fernando;

Trecho da entrevista de Fabiana Karla à Coluna da Xuxa (Jornal Extra) de 15/10/2006

Trecho da entrevista de Thiago Martins à Coluna da Xuxa (Jornal Extra) de 05/11/2006

- Alô, é do Gêmeas? Foi lançada, no início de dezembro de 2006, pela empresa Telefônica, uma série de 3 cartões telefônicos para orelhões. Cada cartão trazia uma imagem promocional do filme. O cartão n.2 foi o cartão com maior tiragem dentre os três: 620.000 unidades, número bem maior do que o lançado para o cartão n. 1: 180.000. Já o cartão n.3 ficou com a tiragem 565.000 unidades. Foi a primeira vez que Xuxa estampou um cartão telefônico para orelhões.





- CARAS de uma, focinho da outra? Ainda no embalo da divulgação do filme, a Editora Caras lançou uma revista especial sobre o filme em 12 de janeiro de 2007, que veio como brinde para quem comprasse a edição 688 da publicação. Com 16 páginas, a revistinha se dividia entre entrevistas, curiosidades e passatempos sobre o filme.



- Tela Quente: Xuxa Gêmeas foi o último filme da Xuxa que estreou na Tela Quente. Exibido no Dia das Crianças de 2009, o filme marcou 21 pontos de audiência.

- Fim de parceria: O filme encerrou a parceria de Xuxa e Diler Trindade, que durava 18 anos (desde Super Xuxa Contra Baixo Astral (1988)). O próximo filme de Xuxa, “Xuxa em Sonho de Menina” foi produzido pela Conspiração Filmes.

- Demora: Xuxa Gêmeas levou quase UM ano para ser lançado em DVD. Somente a partir de 21/11/2007, o DVD foi colocado à venda para varejo. Para as locadoras a espera foi um pouco menor, cerca de 4 meses antes. O DVD trazia como brinde um passaporte adulto para o Parque Mundo da Xuxa, que funcionava em São Paulo.



- As legítimas: Xuxa se inspirou nas gêmeas Roberta e Mariana Richard, as Irmãs Metralhas do Xou da Xuxa. Em entrevista à amiga Ivete Sangalo, para o quadro Astromóvel do Vídeo Show, a loira contou que se lembrava de histórias em que uma irmã sentia a mesma dor que a outra estava sentindo. No filme vemos isso acontecer no momento que Jenifer (Maria Clara Gueiros) faz Mel desmaiar com um lenço embebido em clorofórmio e Elizabeth também desmaia mesmo não tendo cheirado o produto.

Tão vendo essa? Tem outra igual, tá?

Viram quanta coisa? Mas ainda tem mais, olha:

Página da revista especial sobre o filme, lançada pela Editora Caras

Vale por duas!
Se a história de Gêmeas veio mesmo do roteiro de 1991 provavelmente nunca saberemos. Se Xuxa Requebra bebeu da mesma fonte também não... mas uma coisa é certa: o filme trouxe novos ares à filmografia de Xuxa, por tudo que foi exposto. Para aqueles que ainda teimavam em reclamar da persistência da loira na sétima arte ficou o recado: vai ter Xuxa no cinema sim! E se reclamar, vai ter DUAS!!!





LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...