quarta-feira, 5 de abril de 2017

Os 20 anos do Planeta Xuxa

Por: Leandro Franco

Ela já teve clube, “xou” e até “park”, o que mais faltava para Xuxa? Há exatos 20 anos, a loira mostrava que precisava ir mais além e apresentou ao universo televisivo o seu planeta, o Planeta Xuxa, um lugar de onde a ordem era se divertir, “liberar geral”.

Em 05 de abril de 1997, estreava pela Rede Globo, o programa que faria história nas tardes de sábado – e depois nas de domingo – e colocaria o nome de Xuxa definitivamente entre as maiores apresentadoras da TV brasileira. Vamos relembrar (ou conhecer) fatos ou curiosidades desse que é, até hoje, um dos programas mais lembrados da loira.

(Logotipo "Planeta Xuxa": recriação de Vinícius Rezende)


1.  O Início
No começo de dezembro de 1996, no Teatro Fênix, enquanto gravava seu especial “Natal sem Noel”, Xuxa recebeu o jornal “O Globo” para uma entrevista; quando a matéria foi publicada veio a notícia:
 
“A partir do ano que vem, além de dar prosseguimento ao “Xuxa Park” – que continuará a ser exibido nas manhãs de sábado – a apresentadora lançará uma atração musical, voltada para o público adolescente, que entrará no ar no mesmo dia, de 16h às 18h.” (O GLOBO, 22/12/1996)


Já em 1997, o assunto foi retomado durante o lançamento da linha de aparelhos de TV “Xuxa Cineral”, no mês de fevereiro:

Matéria publicada no jornal O DIA, em 09/02/1997


Nascia o “Sábado Xuxa”: parte da manhã para os baixinhos e a parte da tarde para os “altinhos”. Em uma entrevista para a Folha de São Paulo, Xuxa deu detalhes desse projeto.



Folha de São Paulo - 23/03/1997


2.  Piloto, Segundo e Primeiro Programa
Sim, a ordem é essa mesma. Após a gravação do piloto – comum a toda atração televisiva – o segundo Planeta foi gravado ANTES do primeiro. O motivo? Para que Xuxa estivesse mais à vontade no programa de “estreia”.


Planeta Xuxa: do piloto direto para o segundo programa para depois voltar ao primeiro


Se a questão era ficar mais a vontade, nem precisariam ter invertido a ordem das gravações. No quadro “Intimidades”, Xuxa mostrou que queria ir além do óbvio e sabatinou a atriz Maitê Proença (programa #2) e o ator Marcelo Antony (Programa #1) com perguntas nada ortodoxas: “você já andou sem calcinha?”; “Já contracenou com um ator que tem mau hálito ou cecê?” (para Maitê) ou “Você recebe cartas de adolescentes querendo perder a virgindade com você?”; “como foi sua primeira vez?” (para Marcello). Claro que choveram críticas e esse lado saidinho de se entrevistar não foi muito além. As entrevistas tomaram um rumo mais sério e emocional com o passar dos anos.

Marcello Antony e Maitê Proença, os primeiros entrevistados

Para o programa piloto, a entrevistada foi a atriz Bianca Rinaldi. Será que Xuxa perguntou se alguém já tinha pedido pra ela se vestir de Paquita na hora de “nhanhar” (gíria que estava na moda em 1997)?


3.  Quadros
O programa estreou com vários quadros que não acompanharam a existência da atração: Top Brasil, Música do Coração, Lançamento Musical, Gato e Gata do Planeta. Entretanto, o quadro de maior sucesso do Planeta só foi estrear no programa n. 7: Transformação. A tarefa de mudar o visual de participantes da plateia durante o programa foi um sucesso, foi copiada por outras atrações e acabou se tornando uma das marcas de Xuxa. O Transformação gerou um outro quadro que pode muito bem ser considerado o embrião do "Lar Doce Lar" do Caldeirão do Huck: o Meu Sonho de Transformação, onde a produção do programa reformava a casa do telespectador escolhido através da melhor história enviada.

A equipe que fazia o Transformação era comandada pelo cabeleireiro Edson Freitas
e pelo maquiador Roberto Fernandes

Um dos quadros, Paródia Musical, chegou a ser divulgado para a imprensa, mas nunca foi exibido e só pudemos ver como seria quando Xuxa o mostrou durante um dos especiais “Xuxa 12 anos com você”.



Nos seus cinco anos, o Planeta teve de tudo um pouco: games (Quem Sabe Mais, Espertos do Planeta), entrevistas internacionais (Giro do Planeta), visitas a famosos (Endereço do Coração), fofocas de famosos (Linguarudo do Planeta - 1999 e Redação do Planeta - 2001) e promoções relacionadas à cantores pop (Spice Girls, Meredith Brooks).


4.  Elenco e Personagens
Em 1997, o Planeta contava com as Paquitas Nova Geração, Bombom, You Can Dance e as gêmeas Mariana e Roberta, todos já conhecidos como a Turma da Xuxa. 

Paquitas, You Can Dance, Bombom e Metralhas: a turma da Xuxa no Planeta da Xuxa


A novidade ficou por conta da chegada dos Papaquitos - Clay, Márcio e Johnson -, três rapazes bonitões que ficavam no “bar” do cenário. Essa primeira geração de Papaquitos ficou até março de 2000, quando foi substituída pela “última” geração: Hugo Resende, Marcos Moraes e Gustavo D’Ávila.

Papaquitos: de barmen a go-go boys


Em 1998, tivemos Raimundo, o Coveiro, um personagem que aparecia logo após a música de abertura dançando com uma pá na mão, enquanto Xuxa e as Paquitas faziam caras e bocas. O Coveiro durou tanto quanto o sucesso de sua música tema, que era interpretada pela banda “Missionários do Dízimo”. Alguém lembra? Se a função do coveiro era ninguém-sabe-o-quê, outro integrante tinha a função de divertir a plateia: Adamastor Pitaco. O humorista cearense participou do programa por dois anos.

Adamastor Pitaco, "o lindo" (SQN)

Para 1999, tivemos a chegada das Paquitas Geração 2000. A última geração de paquitas participou de alguns programas com a “supervisão” das Paquitas Nova Geração, mas não deu muito certo, elas ainda eram muito novinhas para o estilo da atração. Resultado: ficaram só no Xuxa Park e retornaram ao Planeta somente após a saída das Garotas do Zodíaco.

Duas gerações de Paquitas animaram o Planeta "redondinho"


As Garotas do Zodíaco foram a aposta do programa no ano 2000. Incialmente seriam 48 garotas, que sairiam ao longo do ano até que restassem somente 12, que dariam origem a um grupo musical. Não deu certo, foram só 24 garotas do Zodíaco e nunca houve grupo musical. Destacaram-se como Garotas do Zodíaco: a atriz Fernanda de Freitas e a bailarina e coreógrafa Ana Cecília Calderón. 


Garotas do Zodíaco: algumas delas previu que o grupo não iria pra frente?


Ainda em 2000 (fevereiro), o You Can Dance deixou a atração, mas Fly permaneceu até o último programa exibido como parte do elenco de apoio.

Em 2001, já crescidas, as Paquitas 2000 voltaram a ser parte do elenco. Junto com elas estrearam os “Fortões” Théo Becker e Renato Vianna, rapazes malhados que ficavam sem camisa dançando – no estilo go go boys – e animando a plateia. Tivemos ainda a chegada dos Manos (Gui, Biel, Rá e Edu) e das Minas (Lu, Lili e Gi), três moças e quatro rapazes que ajudavam a “encher” o palco durante as coreografias, mas nunca chegaram a dizer a que realmente vieram e sua participação se resumiu a este ano.  No último ano, o Planeta nos apresentou Ariano e Escorpião, uma mistura de “Fortões” com “Garotas do Zodíaco”, pois os rapazes faziam o estilo dos fortões, mas representavam signos. Foram menos expressivos que o tal Coveiro de 1998.

Manos, Minas, Fortões, Ariano e Escorpião:
participações pouco expressivas na história do Planeta


5.  Cenários e Aberturas
O primeiro cenário (1997) era composto por elementos da carreira de Xuxa que decoravam uma grande discoteca. Havia figurinos marcantes emoldurados (a roupa do lançamento do 4º Xou da Xuxa, por exemplo), cartinhas de fãs e um manequim cuja saia era feita só de reportagens dedicadas à Xuxa. Nas laterais diversas fotos de Xuxa retiradas, na maioria, do programa Xuxa Hits. As entrevistas do quadro Intimidade eram realizadas no “cafofo” – um cantinho do palco onde possíveis casais da plateia ficavam para conversar com seus futuros pretendentes.

Cenário 1997: a carreira de Xuxa como cenário

A entrada de Xuxa no cenário se dava através de uma espécie de parede giratória, como se Xuxa saísse de um quadro. 



Para a temporada de 1998, houve uma mudança radical: Xuxa passou a sair de um imenso globo prateado, na lateral esquerda uma imensa escada para a entrada das atrações. 



Tudo ficou mais clean, ainda havia fotos da apresentadora, mas em menor número. O Intimidade ganhou o centro do palco e um sofá bem grande. Na época o cenário custou 500 mil dólares.

Cenário 1998: a chegada do globo que se tornou marca do programa

Aproveitando a virada do milênio e todo o misticismo que envolvia a data, o Planeta ganhou, em 1999, um cenário com motivos esotéricos; mandalas, runas e búzios davam o tom do “redondinho”. As fotos das laterais deram lugar à réplicas de estátuas dos deuses gregos e romanos; uma espécie de coliseu/olimpo da Xuxa. Em agosto de 1999, o programa passou a ser gravado nos estúdios do Projac e a novidade foi o ensaio de Xuxa caracterizada em diferentes etnias: indiana, africa, grega e egípcia.

Cenário 1999/2000: esoterismo, etnias e a chegada do novo milênio

Como as alterações estavam recentes, o cenário do programa no ano 2000 não sofreu mudanças.




Já em 2001, uma importante mudança: Xuxa abandonou o globo e passou a entrar no palco pela escada lateral. Uma outra escada foi construída do lado direito, de forma que o globo – agora menor e com movimento – ficasse ladeado pelas escadas.



O cenário com estilo de ficção científica, mostrava que a Rainha tinha todo o universo a seus pés. O palco representava uma galáxia inteira. Nas paredes, onze fotos e três painéis mostravam a loura em diferentes versões: supermaquiada, de rosto lindo, loira, ruiva, morena, comportada ou fatal.

Cenário 2001: o globo passou a ser decorativo e voltaram as fotos de Xuxa

O último cenário do Planeta, em 2002, seguiu a linha do ano anterior, apenas recebendo um visual mais moderno. A principal mudança ficou por conta da entrada de Xuxa que voltou a se valer do globo, ou melhor, metade dele.


Com mais de 70 metros de área livre, novos efeitos de iluminação, muitos espelhos e materiais metálicos, além de cerca de 20 fotos de Xuxa, o novo cenário dava mais espaço para as danças no palco.

Cenário 2002: mais espaço até para o quadro Intimidade

Foram seis vinhetas de aberturas para o programa; todas utilizaram como base a música Planeta Xuxa (Álvaro Socci e Cláudio Matta), porém somente a da temporada 1997 foi a versão original. Basicamente em todas tivemos imagens do programa (bastidores, cenários) e takes da Xuxa se preparando para entrar em cena.


6.  Licença Maternidade
Em 1998, em razão do período de licença maternidade, Xuxa confiou o comando de seu Planeta a 11 amigos, durante 13 semanas. Ivete Sangalo foi a única a apresentar dois programas nesse período.
O fato de não estar no comando da atração não significou a ausência total da loira; de casa a loira iniciava o programa apresentando o amigo que iria conduzir a atração e, ao final, voltava para agradecer ao público e ao amigo apresentador.

Xuxa acompanhava de casa seu Planeta sob o comando de seus amigos

A escalação do Planeta Licença-Maternidade:
09/08 – Ivete Sangalo
16/08 – Alexandre Pires
23/08 – Gabriel, o Pensador
30/08 – Daniel
06/09 – Molejo
13/09 – Netinho(Bahia)
20/09 – Zezé di Camargo & Luciano
27/09 – Negritude Jr.
04/10 – Claudinho & Buchecha
11/10 – Terra Samba
18/10 – Tom Cavalcante
25/10 – Melhores momentos de todos apresentadores
      01/11 – Ivete Sangalo



7.  Férias do Planeta
As férias dos programas da Rede Globo geralmente ocorrem nos primeiros meses do ano e a emissora reestreia sua programação em abril. Nos dois primeiros anos após a estreia (98/99), o “Redondinho” não teve parada. Xuxa adiantou as gravações e o programa seguiu na grade da emissora sem férias. No início de 2000, o ritmo diminuiu um pouco e reprises do programa foram exibidas entre janeiro e março. Entretanto, não eram simples reprises; Xuxa gravou “cabeças” para os VTs que compilavam os melhores momentos da atração. E essas cabeças contavam com a presença de um artista convidado que geralmente tinha participado do programa naquele ano.


Programa exibido em 06/02/2000

Em 2001, nada de reprises; foi criado o Planeta Verão, uma versão ensolarada do Planeta Xuxa. Gente bronzeada, sol, mar, música, bate-papo e muita água de coco. Com estes ingredientes Xuxa fez uma série de programas na Praia do Boi, em Itacuruçá. As gravações duraram uma semana, mas renderam mais de 2 meses de programa. A edição do programa também foi diferenciada, não havia uma sequencia a ser seguida; dessa forma no primeiro programa pudemos ver takes que só seriam completamente exibidos no último e vice-versa. A participação de Xuxa foi reduzida e os repórteres da ilha, Andréa Veiga e Alex Lerner, muitas vezes apareciam bem mais que a titular do programa. 

Planeta Verão: muita praia, muito sol, diversão e pouca Xuxa

No último programa, foi feita uma enquete com os artistas sobre qual seria o lugar mais indicado para o Planeta Verão 2002. Fernando de Noronha ganhou... mas não levou. Não houve uma segunda temporada do Planeta Verão.


No início de 2002, nada de praia, nas férias do Planeta Xuxa entraram em campo os Jogos de Verão do Planeta. Vestida com com roupa de militar, boné e óculos escuros, Xuxa comandou a competição. Equipes de artistas enfrentaram um verdadeiro treinamento militar na Brigada dos Paraquedistas, em Marechal Hermes. As gravações aconteceram entre os dias 10 e 23/12/2001. Os Jogos de Verão foram ao ar durante os meses de janeiro, fevereiro e março de 2002. A competição não era empolgante e o programa perdeu com isso; para compensar, belos clipes de Xuxa foram exibidos entre as provas – muitos com músicas inéditas.

Jogos de Verão do Planeta: muita roupa verde, muitas provas e pouca diversão



8.      O encerramento
O último Planeta Xuxa foi ao ar no dia 28/07/2002, encerrando um ciclo de pouco mais de 5 anos. Sua última exibição foi totalmente diferente do que o público estava acostumado a ver: Xuxa, sozinha no sofá do Intimidade, apresentou e comentou vários VTs com os melhores momentos do programa. Ao final ela justificou o porquê de encerrar o Planeta:

Eu amo trabalhar com crianças e a oportunidade de voltar a me dedicar a elas vai tomar todo o meu tempo. Vou ter que sacrificar o “Planeta”, que é um cantinho muito especial.

Último Planeta Xuxa: VTs relembraram os 5 anos do programa

O Planeta cumpriu sua função e, a bem da verdade, já tinha entrado num processo de desgaste desde 2001. As edições estavam cada vez mais retalhadas, praticamente todas as entradas de Xuxa no palco foram limadas e ainda havia o problema da audiência e a redução do horário (em 2002 o programa passou a ter 1h de duração, metade do que tinha em 2000). Sem contar o tempo de permanência de Xuxa no vídeo,  alguns programas não contabilizavam 20 minutos de permanência da loira no vídeo; era uma atração musical atrás da outra. O Planeta Xuxa parecia mais o Planeta Música.

Matéria publicada na revista TV Brasil em 04/06/2002

Ao encerrar o Planeta para poder se dedicar ao sonho de voltar a trabalhar com os baixinhos, Xuxa se arriscou, contrariou alguns, mas seguiu em frente. Não há o que se questionar se ela estava certa ou não em parar, afinal ela apenas fez o que sempre disse desde a estreia, lá em 05/04/1997: “ouça o que eu digo, só o que vem do coração faz sentido”.

E o coração da loira àquela época não pedia um Planeta, pedia um Mundo... mas essa é uma outra história. Só que a história do "redondinho" ainda não acabou. Fiquem ligados porque temos mais assuntos para tratar nesses 20 anos de Planeta Xuxa.


"Só o que vem do coração faz sentido..."


Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Matheus Santos disse...

Como sempre, vocês acabam fazendo uma resenha "redondinha" sobre algo relacionado a carreira da Xuxa.
Realmente o "Planeta Xuxa" foi um programa marcante, que revolucionou os programas feitos para os jovens, assim como o "Xou da Xuxa" foi para os baixinhos, trazendo a balada para a televisão e deixando orfão uma legião de fãs com o término do programa.
Confesso que gostei do formato "Jogos de Verão", pois trouxe algo novo ao formato que estava em desgasteComo sempre, vocês acabam fazendo uma resenha "redondinha" sobre algo relacionado a carreira da Xuxa.
Realmente o "Planeta Xuxa" foi um programa marcante, que revolucionou os programas para os jovens, assim como o "Xou da Xuxa" para os baixinhos, trazendo a balada para a televisão, deixando orfão uma legião de fãs com o término do programa.
Confesso que gostei do projeto "Jogos de Verão", pois trouxe um ar diferente ao formato que já estava em desgaste, indo nas ondas dos reality shows, no caso algo semelhante ao extinto "No Limite".
Creio que poderiam ter aproveitado mais a proposta em sí, deixando as disputas mais sérias para chamar a atenção dos fãs que torcem por seus ídolos, já que a cada semama uma equipe era eliminada, mas acabaram por deixarem parecer uma gincana comum e sem sentido, não explorando o necessário.
Me lembro que teve até um episódio especial, das equipes Rosa contra Lilás, Paquitas contra assistentes de palco do Caldeirão do Huck.
Também me lembro que no final, a equipe que conseguisse eliminar todas as equipes enfrentava o pelotão da Xuxa, a equipe Dourada.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...